Para a empresa Águas de Santarém é indispensável reduzir o desperdício de água, não só com acções de consumo racional para a sustentabilidade dos recursos hídricos, como através da eficiência, nomeadamente na detecção e prevenção de fugas de água.

Esta foi uma das mensagens principais da comunicação “Águas de Santarém: Os desafios de um mercado de “quase monopólio””, proferida pelo presidente do Conselho de Administração da Empresa das Águas de Santarém – EM, S.A., Ramiro Matos, por ocasião da 149ª Assembleia de Investigadores do Centro de Investigação Professor Doutor Joaquim Veríssimo Serrão, realizada no dia 29 de Abril.

“Não podemos descurar a sustentabilidade ambiental, e um dos problemas que temos, a este nível, são as perdas de água.

PUBLICIDADE

São números lamentáveis, mas transversais a quase todos os municípios. Há uma clara diferença entre a água que é aduzida e a água que é efectivamente facturada. Temos uma tendência de redução ao longo dos anos, mas estamos nos 28% e estamos a trabalhar para reduzir ainda mais”, afirmou o responsável.

Segundo disse, este é um dos “grandes critérios de eficiência e sustentabilidade”: “o bem já é escasso e, se estamos a deixar perder desta forma, muitas vezes sem que a pessoa seja penalizada por estar a utilizar indevidamente, prejudica todos. Esta questão das perdas é uma das nossas prioridades”, declarou.

Neste ‘combate ao desperdício’, afirmou Ramiro Matos, a empresa investiu cerca de 1,5 ME e agora, só no primeiro trimestre de 2021, lançou procedimentos superiores a 500 mil euros precisamente para corrigir este problema.

Ainda no campo da sustentabilidade, o responsável da empresa deu a conhecer a nova marca que incentiva ao consumo de água da torneira e é amiga do ambiente: a “águAS, Natural de Santarém”.

“A sustentabilidade é palavra-chave por detrás desta novidade, pretendendo que a água do município chegue a todos, de todas as formas. Esta é uma garrafa reutilizável, um rótulo e um posicionamento de marca semelhante a qualquer outra insígnia de água”, explicou.

A propósito desta campanha, o presidente do Conselho de Administração da empresa Municipal A.S – Águas de Santarém, explicou que “este é um momento muito importante para a empresa. Temos vindo a traçar um percurso de credibilidade e confiança, alicerçado na sustentabilidade e no consumo responsável. Queremos reforçar que a água da torneira da nossa região é uma das melhores a nível nacional e que é plenamente apta ao consumo humano e que ao consumi-la estamos a beneficiar o nosso meio ambiente”.

Com o indicador água segura a manter os 99 % (98,66 %), beber água da torneira com confiança “continua a ser uma realidade, conforme demonstram os dados do relatório anual sobre o “Controlo da Qualidade da Água para Consumo Humano”, referente ao ano de 2019”, segundo Ramiro Matos, destacando que este desempenho confirma a “tendência de excelência” na qualidade da água para consumo humano.

“As garrafas de água constituem o quinto artigo mais encontrado nas limpezas das zonas costeiras, tendo um impacto significativamente negativo no planeta, considerando que o plástico tem um processo de degradação de até 450 anos. Torna- se premente um gesto simples – a utilização de uma garrafa de água reutilizável, como a da marca águAS, para consumo de água canalizada. Um recurso natural, saudável, sustentável e sempre disponível: basta abrir a torneira”, disse.

Para os próximos anos, como prioridades, o presidente do Conselho de Administração da A.S destacou o investimento numa nova ETAR de Santarém, a substituição de condutas mais antigas, a reposição de pavimentos danificados nas intervenções, o reforço da relação com os clientes através do uso das novas tecnologias, aproximando-os da empresa e facilitando o dia-a-dia de todos, simplificando procedimentos e ainda levar a cabo acções de sensibilização ambiental, de sustentabilidade e de confiança dos munícipes.

O maior investimento que a empresa prevê é realizar “uma grande reformulação”, com aumento de capacidade, da ETAR de Santarém, que serve uma grande parte do concelho e acusa já um grande desgaste, sendo um equipamento de maior importância no sistema de águas residuais.

A par desse investimento, orçado em cerca de 7 milhões de euros e que terá de ser realizado por fases e, se possível, com recurso a fundos comunitários, a A.S equaciona “diversos investimentos urgentes no sistema de abastecimento de água e no sistema de águas residuais, quer de manutenção, quer de melhoria de capacidade”.

PUBLICIDADE
Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

“No Reino Unido consegui em três anos o que não consegui em Portugal em 20”

João Hipólito é enfermeiro há quase três décadas, duas delas foram passadas…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Homem morre esmagado em acidente de trabalho em Alpiarça

Um homem morreu num acidente de trabalho, esmagado por uma máquina de…