Fase de instrução do caso Tancos começa a 8 de Janeiro e termina a 13 de Fevereiro

A fase de instrução do processo do furto e achamento do armamento de Tancos vai começar a 8 de Janeiro de 2020 com a audição de dois arguidos, determinou o juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal Carlos Alexandre.

No despacho de abertura de instrução, a que a agência Lusa teve acesso, o juiz agendou 30 inquirições, que começam com os arguidos Válter Abreu e Jaime Martins Oliveira, ambos acusados pelo furto das armas, terminando a 13 de Fevereiro com o interrogatório do arguido Gabriel Matos Moreira, também acusado pelo mesmo crime e que se encontra em prisão preventiva.

A instrução é uma fase facultativa do processo de recolha de prova que pode ser requerida pelos arguidos para contestar a acusação, sendo dirigida por um juiz, ao contrário da fase de inquérito que é dirigida pelo Ministério Público.

PUBLICIDADE

O processo de Tancos tem 23 acusados, incluindo o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes, o director nacional da Polícia Judiciária Militar (PJM) Luís Vieira, o ex-porta-voz da PJM Vasco Brazão e o ex-fuzileiro João Paulino, os quais respondem por um conjunto de crimes que vão desde terrorismo, associação criminosa, denegação de justiça e prevaricação até falsificação de documentos, tráfico de influência, abuso de poder, receptação e detenção de arma proibida.

O caso do furto das armas em Tancos foi divulgado pelo Exército em 29 de Junho de 2017 com a indicação de que ocorrera no dia anterior, tendo a alegada recuperação do material de guerra furtado ocorrido na região da Chamusca, Santarém, em Outubro de 2017, numa operação que envolveu a PJM, em colaboração com elementos da GNR de Loulé.

PUBLICIDADE

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS