Hospital de Santarém salva dezenas de vidas com a Via Verde AVC

Portugal é o país da Europa Ocidental com a maior taxa de mortalidade por Acidente Vascular Cerebral e desde julho que o Hospital de Santarém tenta contrariar essa estatística com a implementação da Via Verde Acidente Vascular Cerebral do adulto (VVAVC).

Desde a sua implementação, a 1 de Julho de 2018, que o Hospital de Santarém tem a possibilidade de uma intervenção precoce e mais rápida no tratamento desta patologia. O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é a primeira causa de morte e de incapacidade em Portugal e constitui uma emergência médica. Quando o tratamento adequado é efectuado atempadamente, muitas mortes são evitadas assim como, sequelas importantes nos sobreviventes de AVC, impedindo-se sofrimento, custos sociais, económicos importantes e dependência de terceiros.

Qualquer cidadão, ao reconhecer os sinais apresentados por alguém, mesmo não sendo profissional de saúde, pode contribuir para a redução das mortes e incapacidades por AVC, solicitando ajuda, ligando para o Nº 112, Emergência Médica (INEM). Quando um doente com suspeita de AVC entra no serviço de Urgência do Hospital de Santarém logo na Triagem, é activada a VVAVC. O doente é encaminhado para a sala de emergência, é avaliado pela equipa médica e segue para a sala de TAC, onde efectua de imediato os exames indicados para se efectuar o diagnóstico. Se existirem critérios para o tratamento de trombólise (destruição do trombo), este é iniciado na sala de TAC, efectuando-se exames de reavaliação. O doente após receber o tratamento inicial segue para internamento na Unidade de Cuidados intermédios do Serviço de Urgência (UCINT), onde continua o seu tratamento, sob vigilância médica e de enfermagem contínua.

Para superar constrangimentos geográficos e agilizar o tratamento em tempo útil dos doentes com AVC, foi desenvolvido o TeleViVer-AVC, projecto-piloto entre o Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC) e o Hospital de Santarém, promovido pela ARS LVT que inclui o recurso a novas tecnologias, nomeadamente a teleconsulta que além de discussão clínica permite a visualização do doente e a partilha de imagens de exames complementares de diagnóstico entre os hospitais envolvidos. Sempre que necessário, recorre-se à telemedicina, para discussão clínica com a equipa da Unidade Cerebrovascular do Hospital de S. José, CHLC conforme protocolo de cooperação definido.

Se o doente tem critérios para intervenção neurológica mais diferenciada (Neurocirurgia/Neurorradiologia de intervenção) é transferido para um hospital da área metropolitana de Lisboa.

Desde que entrou em funcionamento esta via verde possibilitou o tratamento precoce (Trombólise) de muitos doentes do Hospital de Santarém saldando-se em várias vidas salvas e um número substancialmente menor de doentes com sequelas.

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS