José Manuel Constantino, presidente e recandidato à liderança do Comité Olímpico de Portugal (COP), assume o desafio de “valorizar socialmente o desporto”, no seu manifesto eleitoral.

Aos 71 anos, José Manuel Constantino apresentou-se às eleições do organismo com a subscrição de 30 das 33 federações olímpicas – excepto as de taekwondo, boxe e basebol, que perderam o estatuto de utilidade pública –, para um terceiro mandato à frente do COP, que lidera desde 2013, apontando como “desafio permanente” o objectivo de “valorizar socialmente o desporto”.

Assim, pretende “consolidar as políticas públicas e associativas para o desporto em patamares de maior relevo na agenda política e social”, para que seja um “único de coesão social e desenvolvimento humano”.

Constantino volta a candidatar como ‘vices’ Artur Lopes e Vicente Araújo, num elenco que conta ainda com João Paulo Villas-Boas, Sameiro Araújo e Ulisses Pereira, em detrimento dos actuais elementos da comissão executiva Rosa Mota, António Aleixo e Hermínio Loureiro, este último com mandato suspenso.

Respeitando os 30% de elementos femininos definidos pelo Comité Olímpico Internacional (COI), o recandidato conta ainda com três antigos atletas olímpicos como vogais, casos de João Rodrigues (vela), Beatriz Gomes (canoagem) e Teresa Gaspar (judo), enquanto Marçal Grilo volta a encabeçar a lista para o Conselho de Ética e Leandro Silva a do Conselho Fiscal.

A experiência dos candidatos desobriga-os de apresentações, mas Constantino considera que esse conhecimento aumenta a sua responsabilidade, para um mandato mais curto, face ao adiamento dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 para 2021.

“Terá apenas a duração de três anos, vem na sequência da crise pandémica e, simultaneamente, a seguir à melhor prestação desportiva jamais alcançada por Portugal em contexto olímpico. Importa olhar para esta situação com realismo. A excelência dos resultados alcançados foi devida à qualidade dos atletas, dos treinadores, ao trabalho dos clubes e ao enquadramento federativo. O nosso mérito foi apenas o de potenciar a capacidade instalada. De unir e não dividir”, lê-se no manifesto.

No entanto, “a situação desportiva nacional não garante, à partida, a sustentabilidade dos resultados alcançados”, defendendo mais trabalho “no plano desportivo e organizativo”.

“A nossa elite desportiva é pequena e os riscos de não sustentabilidade do patamar já alcançado estão presentes. O próximo mandato dos órgãos sociais do COP encontrará o desporto a tentar refazer-se dos efeitos da crise pandémica, ele que é, por razões estruturais e culturais, um sector mais desprotegido e menos preparado que outras áreas para uma recuperação rápida e sem consequências duradouras”, adverte o candidato.

Face a estas “carências”, e à “posição subalterna e frágil do desporto nacional, sobretudo no domínio das políticas públicas”, propõe-se recuperar o sector, perante o impacto pandémico, “para níveis que progressivamente revertam o fosso que separa Portugal da média europeia, valorizando o seu papel na integração com áreas políticas relevantes e na agenda nacional”.

O apoio às federações desportivas, na sua modernização e desenvolvimento, a consolidação em Paris2024 do sucesso alcançado em Tóquio2020 – optimizando a gestão do programa de preparação olímpica para federações, treinadores e atletas – e a aposta “consistente” num projecto de esperanças são algumas das metas traçadas por Constantino.

O reforço na aposta em carreiras duais e na transição dos atletas olímpicos é outro dos objectivos apontados no manifesto, que preconiza ainda a construção da Casa do Olimpismo, como acervo da memória olímpica nacional, e disponibilização do arquivo histórico do COP.

José Manuel Constantino foi eleito pela primeira vez presidente do COP, em 26 de Março de 2013, sucedendo a Vicente Moura, conquistando 92 votos face aos 67 do rival Marques da Silva, e reeleito em 23 de Fevereiro de 2017, com 144, num acto em que era o único candidato.

As eleições para o COP estão marcadas para 10 de Março, tendo as candidaturas de ser formalizadas até 18 de Fevereiro.

Leia também...

Atleta do Santarém Basket Clube morre aos 13 anos de idade

Henrique Francisco, atleta do Santarém Basket Clube, faleceu no passado domingo, 11…

Atleta do Vale de Santarém assina contrato profissional com o SL Benfica

Henrique Sá iniciou o seu percurso desportivo no SL Cartaxo.

Par de Santarém conquista recorde para Portugal no Campeonato do Mundo das 10Danças

O par Francisco Ramos & Leonor Gonçalves conquistou o 13º lugar na…

Benfica do Ribatejo incrédulo com decisão da Associação de Futebol de Santarém

O Grupo Desportivo de Benfica do Ribatejo está incrédulo com a resposta…