A Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo (CIMLT) lançou um concurso público internacional, até 7,5 milhões de euros, para a elaboração dos projectos de construção e reabilitação de habitações, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Em comunicado, a CIMLT indica que o objectivo do concurso “é a selecção de uma bolsa de equipas projectistas, que irão elaborar projectos para construção e reabilitação de habitações nos municípios envolvidos (Almeirim, Benavente, Chamusca, Coruche, Rio Maior e Santarém)”, no âmbito das respectivas Estratégias Locais de Habitação (ELH).

“Estes projectos irão permitir reforçar a rede de habitação, prevendo-se um investimento estimado de 91 milhões de euros na construção e requalificação do edificado dos municípios da Lezíria do Tejo envolvidos”, num total de 1.030 fogos, disse fonte da CIMLT à Lusa.

As equipas projectistas que vierem a ser seleccionadas irão trabalhar com os municípios aderentes na promoção de “soluções habitacionais para pessoas que vivem em piores condições e que não têm capacidade para suportar o custo do acesso a uma habitação adequada”, lê-se na nota.

As candidaturas estão abertas até 19 de Outubro, podendo os interessados consultar as peças do concurso público internacional em www.saphetygov.pt, é ainda referido no comunicado.

O anúncio do concurso público internacional foi publicado no dia 22 de Setembro em Diário da República.

Em causa está a disponibilização aos municípios de equipas que ajudem a elaborar os

projectos de arquitectura e/ou especialidades, bem como que procedam à sua revisão,

de forma a não perderem a “oportunidade única de requalificação e reabilitação do parque habitacional” da região, com fundos do PRR, e conseguirem a concretização das suas ELH, é acrescentado na nota.

A iniciativa visa garantir que, no momento em que forem lançados os avisos do PRR, os municípios têm os projectos prontos para avançarem, adiantou a fonte.

Num dos documentos consultados, é apontada a “exigência do calendário e os requisitos técnicos” como factor que “aconselha a agregação de esforços” para a contratação dos projectos de execução, os quais representam “um custo relevante para os municípios”.

No documento são referidas as vantagens da Central de Compras criada no âmbito da CIMLT e de a agregação assegurar o interesse público, já que cria escala e atractividade para garantir as melhores propostas, sobretudo no cenário actual do mercado da construção.

“A compra em grande escala permite obter preços optimizados e assegurar a qualidade da prestação do serviço”, é acrescentado.

O concurso público internacional é feito em dois lotes, um para a elaboração dos projectos, o qual prevê um máximo de 12 co-contratantes, e outro para a revisão dos projectos, para um máximo de 18 co-contratantes, sendo os grupos envolvidos convidados “de modo rotativo e automático”, para assegurar a pluralidade.

Os municípios têm de concretizar os investimentos aprovados até 2026, assegurando soluções habitacionais para pessoas que vivem em condições indignas e que não dispõem de capacidade financeira para suportar o custo do acesso a uma habitação adequada.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.