Os carteiros de Santarém, Almeirim e Alpiarça estão a realizar uma greve parcial de duas horas diárias, até ao próximo dia 30 de Setembro, por mais meios humanos e contra a falta de condições das novas instalações localizadas na zona industrial de Santarém.

Os trabalhadores iniciaram, no passado dia 8 de Setembro, uma greve entre as 08h30 e as 10h30, uma paralisação que vai prolongar-se até dia 30 de Setembro se até lá a administração da empresa não resolver a falta de condições e de meios humanos.

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Correios e Telecomunicações revela, em nota enviada ao Correio do Ribatejo, que são já mais de “100 mil as correspondências por distribuir no Centro de Distribuição Postal dos CTT em Santarém, entre elas registos, facturação de água e electricidade, reformas, jornais e outras publicações”.

José Oliveira, da direcção Nacional do SNTCT, afirma que a falta de entrega das correspondências não se deve à greve dos carteiros, mas sim ao “facto de estarem 12 carteiros em falta naquele Centro de Distribuição Postal e a gestão dos CTT nada fazer, propositadamente, para resolver o problema”.

PUBLICIDADE

“Os carteiros em luta, não desistem unanimemente da luta pelo preenchimento dos postos de trabalho vagos e necessários e, os cidadãos têm que o saber, por um Serviço Postal digno, de qualidade e que respeite de forma responsável  as necessidades das populações””, refere a mesma nota.

Questionada pela Lusa, a empresa afirmou ser normal, num processo de mudança de instalações, existirem “ligeiras perturbações” nos circuitos de distribuição nos primeiros dias, estimando que, “no decorrer das próximas semanas, toda a organização esteja a funcionar no pleno das suas capacidades e que toda a situação possa ficar regularizada rapidamente”.

“Os CTT lamentam eventuais constrangimentos causados aos clientes, na certeza de que esta decisão vai corresponder a melhor qualidade de serviço às populações”, afirma.

Segundo a empresa, esta mudança, que ocorre na sequência da venda do edifício situado na cidade de Santarém, “permite dotar o CDP de meios e recursos que nas anteriores instalações não eram possíveis, além de optimizar os respectivos circuitos de distribuição”.

Os CTT salientaram não ter, até então, “de forma geral, […] registo de impacto nas pessoas e nas empresas”.

A empresa vendeu por 2,2 milhões de euros o imóvel de que era proprietária, à entrada do centro histórico da cidade, ao ISLA Santarém, instituição de ensino superior privada que, desde 2019, tinha arrendado o primeiro andar do edifício.

Além da mudança do CDP para a zona industrial, a estação dos correios, onde se faz o atendimento ao público, vai passar para um edifício na Avenida António dos Santos, próximo do imóvel que foi vendido.

Estão por distribuir mas não devido à Greve diária de 2 horas dos Carteiros
que servem os Concelhos de Santarém, Alpiarça e Almeirim.

Segundo o

A greve dos carteiros de Santarém, Almeirim e Alpiarça está a provocar o caos na distribuição de correspondência

CARTEIROS DE SANTARÉM/ALPIARÇA/ALMEIRIM

CONTINUAM EM LUTA EXIGINDO CONDIÇÕES DIGNAS PARA TRABALHAREM

E MEIOS HIUMANOS PARA EXECUTAREM O SERVIÇOS POSTAL UNIVERSAL

COM A QUALIDADE QUE É DEVIDA AOS CIDADÃOS DA SUA ÁREA DE ACÇÃO.

São  mais de 100.000 correspondências por distribuir no Centro de
Distribuição Postal dos CTT em Santarém.

Entre aquelas correspondências estão registos, facturação de água e
electricidade, reformas, jornais e outras publicações.

Estão por distribuir mas não devido à Greve diária de 2 horas dos Carteiros
que servem os Concelhos de Santarém, Alpiarça e Almeirim.

A Greve acontece precisamente para contrariar o motivo  da acumulação que –
só não vê quem quer – se deve ao facto de estarem 12 carteiros em falta
naquele Centro de Distribuição Postal e a gestão dos CTT nada fazer,
propositadamente, para resolver o problema:

·       FALTAM 12 CARTEIROS NO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO POSTAL DE SANTARÉM QUE
SERVE SANTARÉM, ALPIARÇA E ALMEIRIM.

·       12 É O NÚMERO MÍNIMO DE REFORÇO DE PESSOAL NECESSÁRIO PARA QUE OS
CTT CUMPRAM AS SUAS OBRIGAÇÕES, COM O MÍNIMO DE QUALIDADE, PARA COM O PAÍS E
OS CIDADÃOS.

·       12 SE ENTRETANTO OS QUE ESTÃO AO SERVIÇO NÃO CAÍREM DE EXAUSTÃO COMO
PREVISIVELMENTE IRÁ ACONTECER SE OS CTT PERSITIREM EM POUPAR NESSES 12
SALÁRIOS.

Os carteiros em luta, não desistem unanimemente de da luta pelo
preenchimento dos postos de trabalho vagos e necessários e, os cidadãos têm
que o saber,  por um Serviço Postal digno, de qualidade e que respeite de
forma responsável  as necessidades das populações.

Por tudo isto estão  à  porta das novas instalações –  para onde foram
“chutados” sem quaisquer condições de trabalho num armazém  na zona
industrial  de Santarém –  todos os dias  das 8h30 as  10h30 como forma de
protesto e também prontos para  esclarecerem todos os interessados no
assunto, aos quais agradecemos desde já o interesse.

A foto é do passado dia 8, o 1º dia daquela Greve Parcial que se prolongará,
para já, até 30 de Setembro.

PUBLICIDADE
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Leia também...

Mercadona cria 65 novos empregos com abertura de nova loja em Santarém

Em 2022.

Mercadona constrói maior bloco logístico da empresa em Almeirim

A Mercadona, maior cadeia espanhola de supermercados, anunciou que vai construir um…

‘Casa em Santarém’ nomeada para o prémio internacional de arquitectura

O projecto ‘Casa em Santarém’ da empresa dp arquitectos está nomeado para…

Moinho de Fau e Restaurante no Jardim das Portas do Sol colocados em hasta pública

A Câmara Municipal de Santarém vai realizar um hasta pública, no próximo…