O investigador Miguel Castanho considera inevitável que, com a evolução da pandemia na Europa, a chegada do Inverno e o aproximar do Natal, se mantenham algumas medidas de protecção contra a covid-19 e reforcem outras.

A propósito do alerta da Organização Mundial de Saúde, que se manifestou preocupada com o acelerar dos novos casos nalguns países da Europa, o especialista lembrou que “qualquer circunstância em que haja multiplicação acelerada e descontrolada do vírus aumenta a probabilidade de aparecer uma nova variante”.

Diz que não é automático que tal variante escape à protecção conferida pelas vacinas, mas admite que há esse risco: “Não quer dizer automaticamente que vá aparecer uma variante que escapa às vacinas, mas é um risco. Não quer dizer que seja uma fatalidade, mas quando deixamos vírus multiplicar-se livremente (…) criamos uma situação propícia a esse perigo”.

PUBLICIDADE

O investigador do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, natural de Santarém, admite que a Europa, com o ritmo de crescimento dos novos casos nalguns países, conjugado com taxas mais baixas de vacinação, “pode contribuir para esse risco”, mas lembra que o continente europeu não está numa situação homogénea.

“Há países numa situação muito difícil, como os do leste e alguns do Centro da Europa, e outros ainda numa situação relativamente boa, como Portugal. Mas, claro que, fazendo parte da mesma comunidade, estes países não podem garantir que vão continuar nessa situação boa, pois estão expostos â circulação das pessoas”, afirmou.
O especialista considera inevitável que se tenham de manter algumas medidas de protecção, reforçando eventualmente outras, sobretudo com o aproximar do Inverno e do Natal, quando a mobilidade das pessoas e os contactos aumentam.

“Vimos no Natal passado que este período é especialmente propicio a contágios e à propagação do vírus. Não estamos na mesma situação, e não voltaremos a viver a mesma situação em termos de intensidade porque coincidiu com a entrada da variante do Reino Unido e porque já temos uma população bastante vacinada, mas é preciso atenção”, considerou.

O investigador insiste que é preciso aprender com o passado, sobretudo por causa das condições climatéricas e da cultura de Natal, em que há maior mobilidade e contactos entre as pessoas. “E isto é propicio à propagação do vírus e a contágios”, insiste.
“Mesmo tendo a população vacinada, sabemos que as vacinas não impedem por completo o contágio e a transmissão e é expectável que a situação epidémica piore no Natal”, acrescentou.

Miguel Castanho sublinha que as vacinas são eficazes ao evitar a doença grave e a hospitalização, mas lembra que o chamado ‘covid longo’ é um problema “de dimensões consideráveis”.

“Se muita gente adoece, ainda que com formas mais leves ou moderadas da doença, estamos a arriscar a que muitos sofram ao longo de vários meses ou anos as sequelas do vírus e isso também tem custos”, lembra, sublinhando: “Não podemos corre esse risco”.

Face ao aproximar do Inverno e do Natal, Miguel Castanho defende que se devem reconsiderar algumas medidas de protecção individual, designadamente o uso de máscara sempre que se contacte com outras pessoas.

“Estamos com parâmetros de incidência semelhantes a Junho e numa situação que já vimos disparar e ser o início de uma fase em que as coisas pioram, mesmo estando mais vacinados”, alertou.

Sobre as doses de reforço, Miguel Castanho é prudente e defende que “faz sentido acelerar a análise dos dados de modo a que se perceba se a terceira dose, a de reforço, é necessária para todos faixas etárias ou não”.

“Não devemos avançar para a terceira dose indiscriminadamente. Temos de perceber primeiro que faixas etárias beneficiam. É preciso ver se a lógica que se aplica aos maiores de 80 anos também se aplica a outras faixas etárias”, concluiu.

PUBLICIDADE
Leia também...

Só Coruche e Sardoal escapam ao recolher obrigatório às 13h00 no fim-de-semana

Os concelhos de Coruche e Sardoal são os únicos, no Distrito de…

Hospital de Santarém no limite da capacidade de internamento de doentes covid

O Hospital Distrital de Santarém atingiu o limite da sua capacidade prevista…

Hospital de Santarém esgotou capacidade de internamento em enfermaria

O Hospital de Santarém esgotou a capacidade de internamento em enfermaria para…

Tratamento do cancro da mama no HDS novamente reconhecido a nível internacional

A Unidade de Senologia do Hospital Distrital de Santarém (HDS) viu renovada…