Madalena de Mello Viana nasceu em Lisboa, estudou turismo e viajou pelo mundo. Hoje, com várias experiências de trabalho acumuladas, dedica-se a fazer crescer a Ollem, um projecto de Turismo Fluvial, com o qual pretende dar a conhecer a imensa beleza natural do Ribatejo. Neste momento, a Ollem está a desenvolver um projecto de turismo rural, na Quinta da Marchanta, na zona de Valada e pretende, ainda este ano, lançar ao Tejo o primeiro barco-casa para criar uma nova oferta de alojamento na região.

Como surgiu a ideia da empresa?

Esta história começou já há 15 anos. Iniciámos este projecto no Rio Tejo com a Rota dos Avieiros: 12 aldeias, desde Lisboa até à Golegã, sendo que só uma, a do Escaroupim, é que está aproveitada para o turismo. Temos, neste momento, três barcos que fazem passeios regulares no Tejo e temos um projecto para uma quarta embarcação. No ano passado, surgiu a oportunidade de ficarmos na Quinta da Marchanta, em Porto de Muge, colada a Valada, na proximidade ao rio Tejo, onde dispomos de 11 quartos, restaurante, e desenvolvemos a vertente do turismo rural, com passeios a cavalo. É um casamento muito feliz, porque são produtos que se complementam.

Que outros projectos quer desenvolver?

PUBLICIDADE

Actualmente, os barcos que temos são tradicionais, para passeios com duração de cerca de duas horas e meia. Quando aqui cheguei, percebi que o rio tinha vida própria e uma história ligada aos avieiros. Achei que seria interessante mostrar esta cultura. O meu sonho foi sempre o de fazer a ligação entre Lisboa e o Ribatejo através do rio. Finalmente, começa a abrir-se essa possibilidade: tenho o primeiro barco em construção, que espero que esteja na água em Abril. É um barco-casa, com casco que permite navegar no mar e com a parte de cima toda em vidro: as pessoas, quando acordam, estão no meio do rio. É um barco de 12 por 4 metros, com duas suites, sala e cozinha. Serve para seis pessoas. Se não for para dormir, dá para 12.

Serão projectos que servem para potenciar o turismo na zona do Ribatejo? Como olha o panorama turístico na região?

As terras do Ribatejo são as mais ricas de Portugal, com os agricultores ainda muito virados para a agricultura. Mas começam, cada vez mais, a virar-se para o turismo. Estamos muito perto de Lisboa e temos o rio Tejo, que é uma auto-estrada de água. O rio perdeu importância, mas eu acho que se lhe está a começar a dar de novo importância. Se não fosse o rio, o Ribatejo não existia. Não havia a fertilidade dos campos, não havia estes cavalos, os vinhos, etc. Acredito que através do rio depois se consiga expandir. É um caminho ainda a fazer…

Para alavancar o projecto recorreu a que apoios?

Pedi ajudas ao Portugal 2020 e é com eles que estamos a trabalhar de momento. Destaco aqui, também, o papel APRODER, associação que conheço desde o início da minha actividade, com a qual espero colaborar muito em breve.

As perspectivas são de crescimento?

Sim. Aliás, como referi, esperamos ter o novo barco na água em Abril. E em Abril de 2022 queremos ter já o segundo barco-casa. O barco não pode subir mais do que Valada. Por isso temos planeada a disponibilização de carrinhas para transportar as pessoas, depois de passarem dois ou três dias no barco, a conhecer a região. O Ribatejo é o centro de Portugal. Há milhares de coisas para fazer aqui à volta. Temos a “Onda da Nazaré”, que é conhecida mundialmente, temos Óbidos, temos Santarém. Temos as Caldas, a Falcoaria de Salvaterra… temos tanto para oferecer!

PUBLICIDADE
Leia também...

‘Casa em Santarém’ nomeada para o prémio internacional de arquitectura

O projecto ‘Casa em Santarém’ da empresa dp arquitectos está nomeado para…

Mercadona constrói maior bloco logístico da empresa em Almeirim

A Mercadona, maior cadeia espanhola de supermercados, anunciou que vai construir um…

Moinho de Fau e Restaurante no Jardim das Portas do Sol colocados em hasta pública

A Câmara Municipal de Santarém vai realizar um hasta pública, no próximo…

Rotary Clube de Santarém distingue Sílvia Carreira como profissional do ano

Sílvia Carreira, directora técnica do Lar Gualdim, do Centro Social Interparoquial de…