Praça de Toiros de Almeirim abre renovada e com espaços comerciais a 1 de Maio

A Praça de Toiros de Almeirim sofreu uma profunda requalificação, na ordem dos 800.000 euros, que permitiu a criação de 16 lojas e a sua transformação num espaço, que a partir de agora se designa por Arena de Almeirim, para acolher diversos espectáculos e eventos.

A apresentação da Arena de Almeirim, que será inaugurada a 1 de Maio, aconteceu na quinta-feira, 7 de Março, no auditório da sede da Santa Casa da Misericórdia de Almeirim (SCMA), proprietária do espaço, na presença do provedor José Lobo Vasconcelos, de Rui Bento, assessor para a realização de espetáculos tauromáquicos, e dos cavaleiros tauromáquicos que participarão na corrida inaugural.

Pedro Sousa e Silva, mesário da SCMA com o pelouro da Arena de Almeirim, disse que a mudança mais significativa consistiu na criação de 16 espaços comerciais, todos eles já arrendados, que obedecem a uma tipologia previamente definida, no sentido de que constituam “um selo local”, com venda de artigos e produtos representativos do concelho – de gastronomia, agrícolas, vinho, artesanato.

Sublinhando que a Arena se situa “no coração da Sopa da Pedra”, ou seja, na zona onde se situam as dezenas de restaurantes que anualmente atraem um milhão de visitantes para degustar esta especialidade gastronómica do concelho, Pedro Silva afirmou que a localização é a ideal para este espaço se constituir como “cartão de visita” do concelho.

A Câmara Municipal de Almeirim comparticipou 25% do custo da obra, recebendo em contrapartida uma das lojas para instalação do posto de turismo e um bloco de casas de banho que ficarão à disposição do público que se desloca àquela zona da cidade.

Os contratos celebrados com os lojistas permitiram angariar outra parte do financiamento, tendo a SCMA recorrido ainda a fundos próprios e a crédito bancário, na convicção de que o espaço virá, a médio ou longo prazo, não só a pagar o investimento realizado, como a sustentar a obra solidária desenvolvida pela instituição, disse.

Pedro Silva afirmou que o projecto, previsto há uma década, visou cumprir três objectivos: a recuperação de uma infraestrutura que servia apenas para a realização de duas corridas por ano, dando prejuízo; torná-la num espaço para acolher o mais diverso tipo de iniciativas – num processo que, numa segunda fase, passará pela instalação de uma cobertura – e aproveitar a sua localização para promover os produtos da região.

Para o mesário da SCMA, a concretização da segunda fase (com um custo estimado da ordem dos 600.000 euros) terá forçosamente de passar por parcerias, quer com privados quer com o município, que passaria a dispor de um espaço coberto com capacidade para 4.500 espectadores, a meia dúzia de quilómetros da capital do distrito, suprindo uma falta existente na região.

“Com este projecto, queremos trazer a nossa praça novamente para a ribalta”, afirmou, salientando que, além das corridas de toiros, com destaque para a que vai acontecer em 1 de maio, estão já agendados concertos de música, feiras de vinhos, de antiguidades, de automóveis e uma “grande festa de insufláveis”, entre outras iniciativas.

Para a inauguração, marcada para as 17h00 de 1 de maio, haverá “toda uma envolvência” de festa, associada à abertura dos espaços comerciais e à corrida, contando esta com três duplas de cavaleiros (cada uma constituída por pai e filho) – António Ribeiro Telles, João Moura, Luís Rouxinol, e respectivos filhos -, os grupos de forcados de Santarém e do Aposento da Moita e seis toiros da ganadaria Vale do Sorraia.

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS