Programa de Educação Parental concluído com sucesso na Chamusca

O Município da Chamusca, através da Equipa Multidisciplinar de Intervenção Comunitária (EMIC), dinamizou um Programa de Educação Parental Positiva e Consciente, no âmbito do Plano Integrado Inovador de Combate ao Insucesso Escolar da Lezíria do Tejo, promovido em conjunto pela Comunidade Intermunicipal e pelos municípios.

A formação para a parentalidade destinou-se a grupos de pais do ensino pré-escolar, com crianças dos 3 aos 6 anos, num total de 14 sessões de capacitação.

As sessões seguiram o modelo da abordagem “Os anos incríveis”, uma metodologia desenvolvida por Carolyn Webster-Stratton, em Seattle, e que se baseia em programas de intervenção direccionados para pais, para educadores e para a criança. Estes programas têm como principais objectivos promover a competência social, emocional e académica das crianças, assim como prevenir e reduzir problemas de comportamento, de forma precoce e eficiente.

O programa básico para pais procura intervir na redução dos factores de risco familiar, através da promoção de novas competências parentais, do fortalecimento das relações familiares e na consciencialização dos pais para vários aspectos do desenvolvimento infantil e das diferentes características temperamentais da criança.

O grupo de pais de Pinheiro Grande foi pioneiro neste trabalho e, ao final de 14 sessões de trabalho, receberam simbolicamente um diploma de participação e uma medalha, entregues pela Vice-Presidente e vereadora da Educação, Cláudia Moreira. A autarca foi à última das sessões de pais para agradecer pessoalmente a “coragem deste grupo de pioneiros”. “Um dos nossos objectivos na estratégia de educação do Município é de termos crianças felizes. É fundamental cuidarmos bem dos que serão as nossas mulheres e os nossos homens de amanhã. Este programa de combate ao insucesso escolar é para nós mais um programa de promoção do sucesso escolar. E vamos mais longe, vamos à promoção do seu bem-estar, de tudo o que é necessário para que cresçam felizes e para que tenhamos famílias seguras para cuidarem das nossas crianças”, afirmou Cláudia Moreira.

Uma das mães participantes, Cláudia Figueiredo, que tem um filho no jardim-de-infância da Carregueira, destaca a partilha de experiências entre os pais. “Partilhando as nossas situações específicas vamos sempre aprendendo um pouco e vamo-nos identificando com cada forma de agir de outros pais. Aprendemos a controlarmo-nos melhor a nós próprios. Temos que perceber os dois lados de cada situação, ouvi-los também”, afirma Cláudia Figueiredo.

“O melhor desta experiência foi a partilha dos mais variados problemas e encontrar soluções e estratégias para lidarmos melhor com os nossos filhos. Conseguimos perceber melhor quais são os limites que devemos estabelecer para o cumprimento de regras por parte das crianças. A tabela dos autocolantes foi uma estratégia útil”, afirma a jovem mãe Patrícia Pulquério.

Outra mãe, Cláudia Dinis, destaca: “aprendemos algumas estratégias novas e partilhamos experiências para podermos ter uma acção de pais mais consciente, actuar de uma forma mais positiva e para que possamos criar adultos mais felizes e mais capazes”. “Sinto que saio destas 14 sessões muito mais rica e com muitas ferramentas com muitas ferramentas para ter um papel melhor como mãe”, afirma. Recorreu a uma das estratégias mais usada neste grupo, que foi a dos autocolantes com objectivos. Os autocolantes eram o reconhecimento de que as crianças realizaram uma tarefa. Ao fim de 5 autocolantes tinham um prémio. Após uma semana, esta mãe percebeu que os autocolantes já nem eram precisos porque a filha passou a realizar as tarefas ou a cumprir as regras de forma natural.

A avó Vitalina Galinha também participou nesta formação. “Tentar aprender mais alguma coisa para poder ajudar as minhas netas. Aprendi muitas coisas que, por vezes, nos escapa, como elogiar, prestar atenção às coisas positivas e não apenas aos comportamentos negativos. Para mim foi uma mais-valia e os pais também tiram partido de algumas das coisas que aqui vou aprendendo”, afirma.

O pai João Silva diz que o mais útil foi “aprender a lidar com o temperamento das crianças, de forma a torná-las melhores, mais integradas na sociedade e mais felizes”. “Alguns truques requerem mais algum treino, mas na generalidade têm resultado”, sublinha. Destaca também que outros pais deveriam aderir à iniciativa porque a partilha de várias situações diferentes ajuda a melhorar o conjunto.

A educadora Ana Maria, do Jardim-de-Infância do Pinheiro Grande, também esteve presente e fez questão de elogiar este grupo de pais. “Parabéns pela coragem. São uns corajosos, porque trabalham, têm casa para arranjar e ainda encontraram tempo para estas sessões. É de um louvor extremo. São o meu orgulho”, afirmou.

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS