Projectos de voluntariado multiplicam-se para ajudar quem mais precisa

Providenciar apoio aos idosos é responsabilidade da Santa Casa da Misericórdia de Almeirim que, com o “Estamos Aqui”, se irá dedicar à prestação de serviços às pessoas idosas mais isoladas, tendo em vista a satisfação das necessidades básicas e o seu bem-estar, com apoio da rede local e de voluntariado.

O coronavírus assusta, mas também une e fortalece. Nos últimos tempos, e um pouco por todo o país, várias pessoas uniram esforços, em diferentes projectos, mas com o mesmo propósito: apoiar quem não pode sair de casa e precisa de ajuda.

Foi neste contexto que surgiu o “Estamos Aqui”, um projecto de “responsabilidade social”, lançado em meados do mês de Abril pela Santa Casa da Misericórdia de Almeirim (SCMA) e que pode garantir a entrega diária de até uma centena de refeições à população idosa vulnerável e sem suporte familiar no Distrito de Santarém.

PUBLICIDADE

Neste momento, a instituição já apoia 33 famílias, mas, conforme refere Helena Duarte, directora geral da instituição, é expectável que estes números aumentem, uma vez que o país está a braços com uma crise económica sem precedentes.

“A ajuda não pode parar junto das pessoas mais vulneráveis que, em resultado e no respeito absoluto do Estado de Emergência e das medidas decretadas para conter a propagação da pandemia, ficaram, entretanto, privadas da assistência alimentar”, afirmou a responsável.

“E numa altura em que o medo, as limitações e o isolamento social imperam, a vontade de ajudar o próximo deve sobressair”, acrescentou, explicando que este projecto conta com a optimização da cozinha e dos transportes da instituição, bem como com a sinalização por parte dos parceiros locais e a vontade de jovens voluntários – que entretanto se juntaram – na separação e distribuição das refeições junto dos beneficiários.

“Depois de um impacto inicial, em que a instituição se teve de adaptar e implementar o seu plano de contingência, no qual a nossa grande preocupação foi proteger os idosos que temos em lar, que são cerca de 100, voltámo-nos para a população mais idosa de Almeirim porque somos, naturalmente, sensíveis às questões sociais e à vulnerabilidade destas pessoas”, referiu.

Segundo disse, este projecto, que surge com o objectivo de prestar serviço de alimentação ao domicílio à população idosa com baixos recursos, fomentando-se assim a obrigatoriedade e importância de ficar em casa, está a ser feito em “estreita colaboração” com a rede local de parceiros, e complementa o já existente “Porta a Porta” da SCMA que se dedica ao apoio domiciliário na freguesia de Almeirim.

“Proteger os mais vulneráveis é também proteger todos os outros”, afirmou Helena Duarte, justificando a prioridade no apoio aos idosos: “é essencial, por questões de humanidade”.

Segundo disse, o projecto pretende, também, “continuar a garantir um contacto de proximidade e assistência à população mais idosa”, que, devido ao fecho de serviços e equipamentos, “poderá ficar em situação de maior vulnerabilidade sem a prestação de determinados serviços”.
Também pretende transmitir-lhes “mensagens de tranquilidade”, explicando-lhes “o panorama mundial e nacional” da pandemia e “reforçando” as medidas que devem tomar para evitar o contágio da doença” da Covid-19.

O projecto é acompanhado diariamente pela técnica de Serviço
Social da SCMA e por duas voluntárias do 3º ano do curso de Serviço Social da Universidade Católica de Lisboa, residentes em Almeirim.

PUBLICIDADE

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS