Em 1978, o meu irmão Fernando João Nogueira Carvalho era o mais jovem de todos os deputados da Assembleia da República na I legislatura. Eleito por Santarém na lista do PS às legislativas, havia sido um dos fundadores da respetiva federação distrital no pós-25 de abril.

No ano anterior, tinha visitado a Suécia, integrado numa delegação de dirigentes distritais e presidentes de câmara, onde conheceu a também dirigente distrital e autárquica do partido homólogo sueco – social democrata – Ulla Petterson.

A partir daí, a cumplicidade entre os dois extravasou o campo político-ideológico e, em finais de 1978, já a então futura presidente da Câmara Municipal de Norrkoping adotava o apelido Carvalho e o meu irmão fixava, em definitivo, residência na Suécia.
Desta união, nasceram duas meninas luso-suecas chamadas Paula e Teresa.

Ainda eram elas crianças pequenas, nos anos 80, e já as questões do “inato ou adquirido” – em que grau uma característica é inata (por exemplo, herdada geneticamente) ou adquirida através da interação com o ambiente físico e sociocultural – me atormentavam.

PUBLICIDADE

Qual seria, então, a probabilidade de as minhas jovens sobrinhas virem mais tarde a abraçar as causas, a ideologia ou a área de atuação profissional dos pais, com o mesmo apelo de cidadania e sentido de interesse público (que a meu ver, é o que caracteriza, no essencial, os bons políticos)?

Diria que essa probabilidade era enorme. Mas, mais em função das vivências que previsivelmente viriam a ter num contexto sócio cultural propício (adquirido), ou sobretudo via transmissão genética (inato)?

Nessa altura – anos 80 – devemos assinalar que a ideia prevalecente, ou até dominante, era a de que o espírito humano é uma espécie de “tábua rasa” e que toda a sua estrutura provém da socialização, da cultura, da educação dos filhos e da experiência.
Pelo contrário, hoje, a genética e as neurociências estão a mostrar cada vez mais que o cérebro é intrinsecamente estruturado e nascemos com certos temperamentos e talentos.

A Paula Kristina Petterson Carvalho, atualmente, é membro do Governo da Suécia (liderado pelo Partido Social-Democrata, correspondente ao Partido Socialista português), como Secretária de Estado da Cooperação Europeia.

A Teresa Kristina Petterson Carvalho é hoje deputada no Parlamento sueco e uma influente dirigente do partido social-democrata sueco.

Ambas têm licenciatura em Relações Internacionais, área a que o pai dedicou boa parte da sua vida profissional.

Inato ou Adquirido?
Tenho uma tendência inata para acreditar sobretudo no primeiro: os talentos dificilmente se “adquirem.”

Mas tenho a certeza que a paixão que as minhas sobrinhas nutrem pelo Benfica e pelos eternos Beatles foi adquirida! Correto, Fernando?

Inato ou Adquirido – Pedro Carvalho

PUBLICIDADE
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Leia também...

Da passadeira vermelha para a passadeira da estrada

Atravessar uma estrada tem riscos e é matéria da educação básica de…

Cartas na Caixa do Correio: A propósito do Hospital Distrital de Santarém

Não podia deixar de publicamente expressar algo sobre uma questão, agora tornada…

‘A requalificação da igreja de Santa Iria na Ribeira de Santarém’, por Vítor Serrão

Existem sempre boas notícias no que toca à salvaguarda do Património Histórico-Artístico…

Isabel de Aragão, rainha de Portugal, Rainha Santa Isabel

No reino de Aragão nasceu no século XIII uma princesa que viria…