Cinco anos após ser reactivado, os jovens do Rotaract Club de Santarém continuam a prestar apoio aos mais desfavorecidos, tendo para isso diversos projectos do foro social em marcha como é o caso do “Dar a Mão às Mães”. Carlos Assunção, é o quinto presidente desde a reactivação e em ano de pandemia teve de readaptar todo o seu mandato aos sucessivos confinamentos que o País atravessa.

Porque é que decidiu abraçar este desafio?
Sempre fui um homem de causas e de voluntariado. Na altura da reactivação fui convidado por uma amiga minha que já estava no Rotaract. Essa amiga, Margarida Nazareth Barbosa, acabou por ser a minha madrinha no movimento e convidou-me a assistir a uma reunião do clube. Ela achou que eu me enquadrava nos padrões do Rotaract e que o clube também se enquadrava na minha maneira de ser e pensar e que podia fazer voluntariado como gostava.

O que é o Rotaract?
Os Rotaract Clubs são clubes que promovem a prestação de serviços à comunidade e têm também o objectivo de formar líderes. São compostos por jovens/adultos com idade a partir dos 18 anos. Os clubes estão afiliados a um Rotary Club local. Neste caso o nosso clube Padrinho é o Rotary Clube de Santarém.

Quais são os objectivos do seu mandato?
Alguns dos objectivos do meu mandato são aumentar o quadro social do clube que é sempre um problema para todos os presidentes e isso já foi conseguido com a entrada de duas novas Companheiras. Agora é continuar a trabalhar para a entrada de mais pessoas. Outro dos objectivos é tornar o Rotaract mais conhecido da comunidade. Quando falamos do Rotaract ainda há muita gente que não conhece. Um dos planos é abordar certos temas que digam respeito aos jovens, já que somos um clube de jovens, estando sempre focados no apoio às necessidades da comunidade.

PUBLICIDADE

Em ano de pandemia, que iniciativas foram realizadas pelo clube?
Continuamos um projecto que já tinha começado no ano da presidência anterior, da Margarida Nazareth Barbosa que é o “Dar a Mão às Mães”. Este projecto começou a ser desenvolvido em conjunto com outro clube Rotaract, neste caso o Rotaract Club Parede e Carcavelos, mas já conseguimos envolver outros clubes Rotaract.
O projecto consiste em ajudar mães que trabalham na Cooperativa Luana Semeia Sorrisos, em Moçambique, que teve que fechar devido à pandemia e ficaram sem dinheiro para sustentar os seus filhos com necessidades especiais. Muitas dessas mães não podem contar com a ajuda das suas famílias que lhes viraram as costas, devido as doenças dos filhos, acusando-as muitas vezes de serem bruxas. O único sustento que conseguem ter é da Cooperativa. Durante este ano conseguimos realizar uma campanha de angariação de fundos que juntou cerca de 1300 euros que chegou às casas de 45 famílias que trabalham na Cooperativa, na forma de bens de primeira necessidade. Estamos agora a desenvolver mais projectos para continuar a ajudar as Mães da Cooperativa.
O Rotaract participou ainda no Rotagreen, um projecto ambiental que visava a sensibilização das pessoas para a preservação do meio ambiente e a limpeza do mesmo e que incluiu vários clubes Rotaract pelo mundo inteiro. O Rotaract de Santarém limpou a zona perto da sua sede apanhando muitos restos de almoços, beatas e máscaras que as pessoas deitam para o chão.
Estamos também a fazer uma recolha de tampas para ajudar a Carminho, que é uma criança a quem foi diagnosticado Síndrome de West, provocando-lhe um atraso no desenvolvimento que a impede, actualmente com 3 anos, de andar e falar. Necessita de recorrer a um tratamento (PediaSuit) para a ajudar a desenvolver-se, sendo o valor deste insustentável para a família. Daí termos organizado uma recolha de tampas em conjunto com as várias associações de estudantes de Santarém e com o Clube Europeu do Agrupamento de Escolas de Salvaterra de Magos.
Também fizemos uma palestra online subordinada ao tema “Por Falar Em… Crianças com Necessidades Educativas Especiais” para tirar duvidas e combater preconceitos contra este tipo de crianças.
Em Janeiro, em parceira com o projecto Luz Política, fizemos vários vídeos sobre as Presidenciais para tirar todas as dúvidas das pessoas sobre o tema e para apelar ao voto que é um direito mas também um dever que temos.
Depois focamo-nos mais sobre a importância de ser Dador de Sangue. Organizamos uma palestra que contou com a ajuda e participação do Grupo de Dadores de Sangue de Pernes e de um enfermeiro que serviu para tirar dúvidas e desmistificar certos medos que as pessoas tinham sobre a Doação de Sangue.
No dia 19 de Março mais uma vez em parceria com o Grupo de Dadores de Sangue efectuamos uma recolha de sangue na Casa do Campino, em Santarém, que foi um sucesso com muitas pessoas a dar sangue pela primeira vez inclusive Companheiras do Rotaract Club de Santarém.

Qual é a importância dos apoios prestados pelo clube?
As nossas actividades são pensadas de forma a fazerem alguma diferença da vida das pessoas ou Instituições. Posso dar vários exemplos. No nosso primeiro ano de actividade levamos meninos e meninas das Instituições de Santarém a Peniche onde tiveram aulas de surf e puderam aproveitar alguns dias de praia. Para nós pode parecer banal, mas para muitas destas crianças foi fantástico, visto que muitas delas nunca tinham estado na praia e ficaram maravilhadas. Aqueles dias vão ficar para sempre nas suas memórias e mantivemos com elas uma relação de amizade que se mantém até hoje. Também ajudamos a ASPA comprando um carrinho de mão que lhes fazia muita falta. Conseguimos ajudar financeiramente as mães da Cooperativa, em Moçambique, e muitas delas enviaram-nos vídeos com os filhos a agradecer e a mostrar-nos como fizemos a diferença nas suas vidas. São coisas que ficam e que nos deixam sensibilizados e felizes. Tudo isto nos dá motivação para podermos fazer mais.

PUBLICIDADE
Leia também...

“No Reino Unido consegui em três anos o que não consegui em Portugal em 20”

João Hipólito é enfermeiro há quase três décadas, duas delas foram passadas…

“Só o comportamento responsável de cada um pode ajudar a resolver a pandemia”

João Amado é comandante distrital de Santarém da PSP há quatro anos.…

“Não posso concordar com o folclore mediático feito à volta das primeiras administrações das vacinas”

António Pinto Correia, presidente da Mesa da Assembleia Sub-Regional da Ordem dos…

“Os enfermeiros nunca são só enfermeiros”

A melhor aluna do Instituto Politécnico de Santarém no ano lectivo 2019/2020…