O Tribunal da Relação de Lisboa considerou improcedentes os requerimentos de prescrição suscitados no processo em que o ex-presidente do BES Ricardo Salgado foi multado em dois milhões de euros e o Haitong Bank (ex-BESI) em 400.000 euros.

Num acórdão datado de quarta-feira, consultado hoje pela Lusa, o TRL considerou, igualmente, improcedente o pedido do ex-administrador financeiro do BES Amílcar Morais Pires, de nulidade do acórdão da Relação, do passado mês de Julho, que confirmou a decisão, de Fevereiro, do Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS), em Santarém.

A decisão mais recente do TRL neste processo visou os requerimentos que alegavam a prescrição das contraordenações pelas quais foram condenados, apresentados por Ricardo Salgado, Haitong Bank e José Manuel Espírito Santo Silva.

No mesmo acórdão, os juízes conselheiros Maria da Luz Seabra (relatora), Carlos Melo Marinho e Paula Pott, analisaram, igualmente, o requerimento apresentado por Morais Pires, que pedia a nulidade do acórdão do TRL de 13 de julho por considerar que não foi apreciado previamente o pedido de prescrição que invocara.

O acórdão, que julgou improcedentes todos os requerimentos apresentados, lembra que a decisão de 13 de Julho, que confirmou as condenações proferidas em fevereiro pelo TCRS, já se tinha pronunciado sobre a ausência de prescrição quanto às contraordenações em causa no processo.

O TCRS julgou os recursos às contraordenações aplicadas pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), em Julho de 2021, por práticas lesivas dos clientes do BES, relativas à colocação de papel comercial da Espírito Santo Internacional (ESI) e da Rioforte aos balcões do banco.

A CMVM acusou os antigos responsáveis do grupo de prestação de informação falsa aos investidores na emissão de papel comercial da ESI e da Rioforte, além de não terem sido comunicadas aos investidores as alterações do organograma do Grupo Espírito Santo, que colocaram a Rioforte como dona da Espírito Santo Finantial Group (ESFG), que tinha a participação do BES.

Na decisão pronunciada no passado dia 15 de Fevereiro, o Tribunal da Concorrência agravou a coima aplicada pela CMVM ao Haitong para 400.000 euros, suspensa no montante de 200.000 euros por dois anos, e manteve a coima de dois milhões de euros a Ricardo Salgado, considerando “totalmente improcedentes” os pedidos de impugnação.

A sentença, proferida pela juíza Vanda Miguel, julgou parcialmente procedentes os recursos apresentados por José Manuel Espírito Santo Silva, que viu a coima ser reduzida de 750.000 para 500.000 euros (suspensa no montante de 250.000 euros por dois anos, tendo em conta ter sido o único a proferir um pedido de desculpa público em 2014), por Manuel Espírito Santo Silva, cuja coima passou de 900.000 para 500.000 euros, e por Amílcar Morais Pires, cuja multa passou de 400.000 para 300.000 euros, absolvendo Joaquim Goes e Rui Silveira.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.