Foto de arquivo

Um trabalhador da empresa intermunicipal Águas do Ribatejo (AR) foi vítima de uma agressão “bárbara” por parte de um cliente, no dia 26 de Novembro, quando tentava fazer uma verificação em resultado de uma reclamação, em Alpiarça.

Segundo apurou o Correio do Ribatejo junto de fonte próxima, o funcionário foi agredido à cabeçada quando recolhia uma análise da água na habitação do agressor, tendo sofrido ferimentos num sobreolho. Após o incidente, a trabalhador deslocou-se ao Centro de Saúde de Alpiarça onde recebeu tratamento médico.

PUBLICIDADE

Os funcionários da empresa tinham-se deslocado a casa do agressor por este se queixar da má qualidade da água. Assim que chegaram ao local, os funcionários foram alvo de insultos, de agressão e ainda arremesso de objectos contra a carrinha da empresa, segundo a mesma fonte.

A situação foi esta quinta-feira, 3 de Dezembro, divulgada pela empresa num comunicado enviado às redacções, onde expressa todo o “apoio e solidariedade para com o trabalhador vítima da agressão”, onde também repudia e condena “todo e qualquer acto de violência, física ou verbal”.

A empresa diz que a agressão ao seu trabalhador será “objecto do adequado tratamento, em sede própria, e será levado até às últimas consequências” e refere que os trabalhadores da empresa “são pessoas honestas, que procuram dar o seu melhor e, por isso, merecem o nosso respeito e reconhecimento”.

Na sequência desta agressão, a empresa alega que tem sido alvo, nas últimas semanas, de “sucessivos ataques, críticas mais ou menos directas, notícias difamatórias e ‘posts’ nas redes sociais que, muitas vezes, não correspondem à verdade”.

“As causas para isso serão os alegados ‘abusos’ da empresa, as ‘facturas elevadíssimas’ ou outras histórias das quais habitualmente se conhece apenas uma das partes”, lê-se na nota.

A Águas do Ribatejo diz que o valor das facturas “depende de dois factores, as tarifas e os consumos” e em relação às taxas de água e saneamento praticadas pela empresa refere que estas “são das mais baixas da região e estão claramente abaixo da média nacional”.

“Quanto aos consumos, os mesmos não dependem da AR, mas sim dos clientes. Nas situações em que existem consumos muito elevados, isso traduz-se, naturalmente, em facturas de valor elevado. Os (muito poucos) erros que existem, são sempre corrigidos. Mas deve ser salientado que, na esmagadora maioria dos casos, as facturas traduzem o que foi consumido por parte dos clientes”, esclarece a empresa.

A Águas do Ribatejo diz está sempre disponível para “receber as críticas, as reclamações, e em trabalhar para encontrar soluções para todos os problemas”.

“Mas isso tem de acontecer com respeito pelos mais elementares princípios da boa educação, civilidade e honestidade. Não pode valer tudo!”, conclui a nota.

PUBLICIDADE
Leia também...

Salvador, Bebé do Ano em Santarém, recebe cheque-prenda do Correio do Ribatejo/Sonae

Salvador da Silva Carlota foi o primeiro bebé a nascer no dia…

João Manzarra apela à adopção de cães abandonados em Santarém

João Manzarra, conhecido apresentador de televisão, esteve esta sexta-feira, 15 de Novembro,…

Estatuto do Antigo Combatente assegura um “tardio, mas justo reconhecimento”

O parlamento aprovou, no passado dia 23, o Estatuto do Antigo Combatente,…

Empresário de Santarém é o mandatário nacional da candidatura de André Ventura às presidenciais

Rui Paulo Sousa, o empresário de Santarém de 53 anos, vai ser…