O Município de Santarém vai promover, de 21 de Outubro a 1 de Novembro, a 41ª edição do Festival Nacional de Gastronomia (FNG), o festival mais antigo do país, distinguido este ano pela AHRESP com o prémio Evento do Ano.

São 41 anos do melhor, mais amplo e mais antigo Festival Gastronómico Português que se comemoram ao longo de 12 dias de festa na Casa do Campino, com uma programação rica que inclui momentos de animação, de formação e consciencialização para os temas da actualidade gastronómica e claro, momentos daquilo que move os visitantes: a degustação da boa mesa regional de todo o país.

O programa do 41.º Festival Nacional de Gastronomia foi apresentado esta sexta-feira, 30 de Setembro, na Quinta da Bela Vista, em Santarém, numa sessão seguida de almoço que reuniu dezenas de convidados, entre autarcas, empresários de restauração e diversas outras entidades.

Na cerimónia, o presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves, enalteceu o trabalho que tem sido feito pelos empresários de restauração em Santarém, que fizeram da cidade “um destino gastronómico de referência”.

João Leite, vereador com o pelouro do Turismo e Grandes Eventos, disse, por seu turno, que esta edição do ‘pai de todos os Festivais’ vai ser marcado pelo “crescimento e afirmação” e pelo aumento do número de restaurantes, chefes de cozinha, expositores e empresas do sector que vão marcar presença em Santarém.

Segundo transmitiu, o FNG vai ter mais do dobro dos expositores em relação a edições anteriores, e cerca de 40 municípios envolvidos, em que cada um deles vai trazer um expositor de artesanato, um produtor ligado ao agro-alimentar e um representante da doçaria.

No total, serão 32 produtores agro-alimentares, 34 doceiros, 15 stands de marcas profissionais, 20 artesãos, oito restaurantes das várias regiões do país, cinco restaurantes de Santarém e 14 regiões vitivinícolas, com apresentações e harmonizações diárias.

O vice-presidente da Câmara de Santarém revelou ainda que, este ano, o Festival “regressa às origens”, retomando aquela que foi uma das suas grandes tradições ao longo de muitos anos: “o petisco”.

Desta forma, a designada Cavalariça 1 vai ser uma zona apenas dedicada à degustação de petiscos, que vão ser confeccionados e apresentados por 24 chefes e restaurantes de renome, ao longo dos 12 dias do festival, com um preço nunca superior a 6 euros.

Para além deste atractivo, serão ainda servidos banquetes com chefes de renome nacional, sendo que a restauração de Santarém também vai marcar presença com cinco restaurantes.

No exterior, haverá uma área de Street Food e outra para uma programação musical, que incluirá DJ, concertos de bandas portuguesas e apresentação de ranchos e cantares tradicionais.

“O Festival Nacional de Gastronomia é uma âncora fundamental para a afirmação de Santarém como um destino turístico de excelência”, afirmou João Leite, que não esconde a ambição de, nesta edição, elevar a fasquia do certame, atraindo mais visitantes.

Inserida no programa “Santarém Capital da Gastronomia”, que visa “impulsionar o turismo e a restauração do concelho”, esta edição do FNG tem o chefe escalabitano, Rodrigo Castelo, como embaixador.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.