Esta semana retomo estas crónicas em proximidade no Jornal “Correio do Ribatejo”, após a ausência de alguns meses devido às eleições autárquicas, tema que irei analisar com mais profundidade em seguida.
As eleições autárquicas são a verdadeira festa da Democracia, o momento em que os cidadãos têm a oportunidade de escolher os seus “vizinhos” para governar os destinos da câmara municipal, assembleia municipal e juntas de freguesia. Proximidade é a palavra chave das autárquicas. São milhares de cidadãos que se empenham para apresentar e defender as propostas que consideram mais benéficas para a comunidade. Mas vamos a uma análise dos resultados a nível do distrito.

O Partido Socialista (PS) continua a ser, no distrito de Santarém, a força política liderante. Venceu a eleição para 12 Câmaras Municipais (11 das quais com maioria absoluta), 13 eleições para a Assembleia Municipal e conquistou a liderança de 80 freguesias. O nosso distrito, com 21 concelhos e 140 freguesias, passa assim a ser liderado por autarcas do PS o que, por inerência, permite que seja o PS a propor a liderança das duas comunidades intermunicipais (Médio Tejo e Lezíria do Tejo) e da ANAFRE Distrital.

Na capital de distrito, gostaria de sublinhar a vitória do PS na freguesia da cidade, assim como na Assembleia Municipal. Não quero deixar, no entanto, de analisar que relativamente às autárquicas de 2017 o PS perde a liderança de 3 municípios (Alcanena, Cartaxo e Golegã) passando a liderar em Ferreira do Zêzere – um facto alcançado pela primeira vez – e em Alpiarça. Em democracia é permitido aos cidadãos escolherem outras opções, nomeadamente as que consideram que melhor servem os interesses do concelho onde vivem, pelo que todos estes resultados devem ser encarados como naturais.

Uma palavra de saudação para todos os vencedores e para todos os que participaram neste momento eleitoral, não deixando de manifestar, no entanto, a minha preocupação com a abstenção que atingiu os 46% no nosso distrito. Aproveito para cumprimentar todos os candidatos do PS em cada um dos 21 concelhos visto que sei que se bateram pelo desenvolvimento dos territórios.

PUBLICIDADE

Por fim, considero que o desfecho destas autárquicas vai ter uma importância crucial no contexto do desenvolvimento e da execução dos fundos do PRR e do Portugal 2030. A nossa região precisa de investimento e as novas autarquias são cruciais quanto ao destino e execução destes instrumentos. Visão, Responsabilidade e Coesão são palavras chave neste âmbito.

Os autarcas de todos os partidos eleitos, sem exceção, podem contar com os deputados do PS de Santarém para trabalharmos, em conjunto, para o desenvolvimento do distrito porque é esse o voto de confiança que temos que devolver a quem em nós confiou.

Hugo Costa – Deputado do PS eleito por Santarém

PUBLICIDADE
Leia também...

‘Morrer de Amor’, por Teresa Lopes Moreira

Este fim-de-semana cumpre-se o ritual secular de homenagear os defuntos. Os cemitérios…

Da passadeira vermelha para a passadeira da estrada

Atravessar uma estrada tem riscos e é matéria da educação básica de…

‘Objetivo: Sopa da Pedra’, por Pedro Carvalho

Neste domingo, derradeiro dia do mês de outubro, regressa uma das melhores…

Cartas na Caixa do Correio: A propósito do Hospital Distrital de Santarém

Não podia deixar de publicamente expressar algo sobre uma questão, agora tornada…