A Proposta de Lei n.º 61/XIV – Aprova o Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) foi entregue na Assembleia da República, a 12 de outubro, ato que marca o início do processo orçamental no Parlamento.

Toda a documentação e as etapas do complexo processo podem ser acedidas através da página” do OE2021: texto e mapas, relatório, pareceres… milhares de páginas. As propostas de alteração apresentadas pelos partidos e todos os registos de votações são disponibilizados. Todas as reuniões são públicas e podem ser acompanhadas através da emissão em direto do Canal Parlamento. Com as devidas precauções sanitárias a democracia parlamentar continua a trabalhar de boa saúde!

O objetivo do OE2021 deveria ser o de desenhar uma estratégia orçamental que responda à crise económica, social e de saúde pública, fortalecendo o país e preparando o futuro. Não é isso que acontece. Este é um orçamento de continuidade, perante “A Crise”. Um orçamento que avança com um conjunto de boas medidas de emergência, mas que não altera as maiores vulnerabilidades expostas pela Covid 19: 1. fragilidades do Serviço Nacional de Saúde; 2. precaridade no trabalho e facilidade dos despedimentos; 3. debilidades do apoio social no desemprego ou em redução de atividade e 4. continuação da transferência de dinheiro publico para o Novo Banco.
Foram estas quatro áreas aquelas nas quais o Bloco de Esquerda insistiu. Foi sobre estes assuntos que apresentámos propostas concretas e que discutimos com o Governo. Face à ausência de respostas o Bloco votou contra, após a discussão na generalidade.

PUBLICIDADE

Num momento em que os fundos europeus parecem ser a galinha de ovos de ouro para todos os problemas, o Governo recusa-se a alterar o equilíbrio de forças a favor de quem vive do seu trabalho. Mudanças só conjunturais, ou seja, despejar dinheiro nos problemas sem os resolver de raiz, pensos rápidos: contratações de profissionais de saúde a 4 meses, subsídios extraordinários de 6 meses, adiamento de pagamentos, linhas de crédito para pequenas empresas… Mudanças estruturais, que resolvam os problemas identificados, nada!

Apresentámos apenas 12 propostas após a discussão na especialidade, as “essenciais” para responder à crise. Pretendemos garantir a autonomia do Serviço Nacional de Saúde para contratar profissionais para os quadros e que seja criada a carreira de técnico auxiliar de saúde. Na área laboral insistimos que a compensação por despedimento seja de 20 dias por ano de trabalho e 30 dias para contrato a termo, não abdicamos do fim da caducidade unilateral da contratação coletiva e da eliminação do alargamento do período experimental. Exigimos que o valor e a duração do subsídio de desemprego sejam os que eram antes da troika. E temos como objetivo suspender a transferência para o Novo Banco, até ser concluída a auditoria às suas contas.

Sobre o distrito de Santarém a situação é igualmente muito complicada, à semelhança do que acontece no Plano Nacional de Investimentos 2030: o Governo PS quase abandona o distrito. Nem a medida proposta pelo Bloco de Esquerda no orçamento passado, a resolução do problema de acesso ao Ecoparque do Relvão, com a construção de uma ponte Chamusca/ Golegã, concluindo o IC3, foi contemplada. Esta velha reivindicação das populações, de Alpiarça a Torres Novas, e de todos quantos diariamente atravessam aquele estrangulamento, foi esquecida, apesar das declarações do ano passado.

A indispensável obra de modernização da Linha do Norte, especificamente no troço Vale de Santarém/ Entroncamento, a melhoria da acessibilidade às zonas empresariais em Riachos -Torres Novas e Entroncamento e as questões do Rio Tejo, foram alguns dos assuntos referentes ao distrito levados pelo Bloco à discussão na especialidade.

Se o momento é difícil maior deve ser a coragem na resposta. Sem mudanças profundas a crise atual resultará de novo em desvalorização salarial, precarização e degradação dos serviços públicos, no distrito e por todo o país. Ainda vamos a tempo. A votação final é só a 26 de novembro.

Fabíola Cardoso – Deputada do BE eleita por Santarém

PUBLICIDADE
Leia também...

Um ano horribilis, onde também houve coisas boas

2020 foi um ano estranho, inimaginável, difícil; muito difícil. Um ano horribilis…

Orçamento de Estado para 2021

Caros Leitores deste nosso Correio do Ribatejo,É com muito gosto que volto…

No centenário de Bernardo Santareno

Por ironia do destino, as comemorações do centenário do nascimento de Bernardo…

Situação pandémica que vivemos e as suas consequências

Caros Leitores deste nosso Correio do Ribatejo. As últimas semanas de atividade…