Um pergaminho do século XII resgatado nas limpezas de uma antiga casa de família em Vale de Figueira, concelho de Santarém, foi salvo por um familiar dos antigos proprietários do imóvel.

“Foi no decorrer de umas limpezas profundas, na antiga casa do saudoso Dr. Vítor Hugo Semedo e da sua ilustre esposa D. Maria Rita Bastos, em Vale de Figueira, que este pergaminho do século XII apareceu, bem acompanhado de outros documentos de não menor valor histórico, todos guardados num saco do “Continente” e que levavam o caminho do lixo, às mãos de uma funcionária da limpeza”, contou ao ´ Correio do Ribatejo´ José Gaspar, natural de Vale de Figueira, um técnico da EDP apaixonado pelo património da sua terra.

“Valeu a abundante sensibilidade cultural de Gonçalo Semedo, neto daqueles ilustres, que, felizmente, se viria a conseguir pôr termo a tamanha tragédia, que seria de total prejuízo para o tema do seu conteúdo”, observa.

Gonçalo Semedo, sabendo do interesse de José Gaspar pelo património da sua terra contactou-o e o investigador, autor de obra publicada sobre património, usos e costumes da zona ribeirinha do Tejo e Alviela fez o resto. Estudou o documento e deu-o a conhecer em primeira mão ao ‘Correio do Ribatejo’.

PUBLICIDADE

“Trata-se da transcrição do original latino, seguido de nova tradução, por necessidade da de 1877 ser corrigida e melhorada”, explica o investigador que contou com a preciosa ajuda na transcrição da tradução, “corrigida e melhorada”, por Gustavo Pimentel, presidente da Associação de Estudo e Defesa do Património Histórico-Cultural de Santarém.

Segundo José Gaspar “este é o documento mais antigo para a reconstituição histórica da propriedade rústica da igreja do Salvador de Santarém: pois nenhum outro consta no seu fundo correspondente do Arquivo Nacional da Torre do Tombo que só se inicia no ano 1270; nem, muito menos, no seu primeiro cadastro de propriedades conhecido, o tombo da igreja do Salvador (transcrito e publicado por Manuela Mendonça, Lisboa, Colibri, 1997), que, embora integre informações respeitantes aos séculos XIV e XV, só foi mandado fazer no decorrer do século XVI”, afirmou ao ‘Correio do Ribatejo’.

No entender do investigador “como se trata de uma venda do ano de 1191, fica explicado porque é que deste rol de propriedades não consta nenhuma no lugar, naquela época, designado por Alviela. Muito provavelmente, porque era ali a única – daí, a razão da sua alienação. O que seria natural, dado que as casas religiosas recebiam património muito esparso, por via das doações post mortem, pelo que acabavam por adoptar estratégias de concentração de propriedade, tornando assim mais vantajosa a sua exploração. Por outro lado, a dar pela pobreza das confrontações, é hoje quase impossível localizar a herdade de que se faz menção”, conclui.

Na interpretação do investigador “herdade” significava, apenas, “uma propriedade rural”, fosse grande ou pequena – conceito advindo da obtenção de terra por herança, entretanto generalizado, e, portanto, com sentido diferente do que hoje utilizamos.
“Em relação a Alviela, seria um macro-topónimo, portanto, utilizado para uma zona alargada, que podia bem ser qualquer um dos lugares, à margem esquerda ou direita, ao longo da bacia, do nosso e secular rio Alviela”, considera.

Ainda segundo José Gaspar, Rafael José da Cunha foi um dos maiores agricultores do país, em meados do século XIX, e foi em 1831 que comprou a quinta do Almonda, mais tarde denominada por quinta da Broa (Azinhaga-Golegã).

“Foi aqui que instalou o seu “quartel general”, onde constituiu o seu império agrícola, através da aquisição de propriedades pelo vasto Ribatejo, pelo que, em hipótese, podemos crer ter sido, também, esta propriedade sua, como foi a quinta do Castilho, em Vale de Figueira”, admite.

Na investigação que José Gaspar fez sobre esta família, concluiu que “o grande agricultor não produziu descendência e por esse motivo deixou por herança algumas das suas quintas aos sobrinhos e irmãos, bem como o usufruto das terras aos seus feitores, homens de confiança e também seus amigos. José Mota Gaspar foi um deles, usufrutuário de todos os terrenos da quinta do Castilho e é aqui que retomamos o trajecto possível dos proprietários da herdade do Alviela”, advoga.

“José Mota Gaspar (1830-1880), natural de Tomar, casou com Gertrudes Maria (1824-1903), natural de Vale de Figueira, e tiveram quatro filhas. A mais nova, Júlia Augusta da Mota (1865-1945), com a morte do pai, cedo começou a gerir a casa agrícola – uma mulher de armas para essa época. Solteira até muito tarde, tinha 45 anos quando acabou por casar com o feitor da casa Manuel Ferreira Margarido e, possivelmente, foi quem tomou conta da documentação da família. A terceira filha, Maria Augusta Mota, foi casada com Joaquim Pedro Soares e deste casamento nasceu Maria Emília Mota Soares, que casou com António de Bastos (antigo presidente da Câmara Municipal de Santarém).

Mais tarde, Maria Emília, herdou de sua tia Júlia, alguns bens e, muito provavelmente, a posse deste pergaminho. Da família Bastos – como eram conhecidos – nasceu Maria Rita Soares de Bastos, casada depois com Victor Hugo da Guerra Semedo, natural de Borba, e foi em Vale de Figueira que este se fixou como médico, onde veio a constituir família. Desse matrimónio nasceu Isabel Maria Soares de Bastos Semedo, que veio a casar com António José de Seabra Fabião, então, pais do actual morador da casa do médico, actuais detentores do bendito pergaminho”, esclarece.

José Gaspar não tem dúvidas: este achado é “um tesouro com 830 anos, surpreendente e entusiasmante”.

O investigador esclarece ainda que a par dos desastres naturais, das guerras e da destruição deliberada de documentação histórica, o desaparecimento de pergaminhos medievais, como o que ora se apresenta, sucedeu principalmente por desinteresse, ou então pela substituição por novas versões traduzidas, dada a complexificação da sua leitura no tempo, ou então do seu próprio estado de conservação, tomando-se, assim, por desprezível a sua versão original.

“De qualquer modo, não foi esse o caso deste pergaminho, que apesar de ter tido cópia traduzida, no ano de 1877, por sorte, nunca foi separada do original, ao qual sempre ligada por uma linha de coser”, nota.

“E esta é a novidade: a conservação de um documento medieval, desta natureza e cronologia, na mão de proprietários privados, constitui, por si só, uma preciosa raridade que tive o cuidado de alertar a sua importância histórica,” conclui José Gaspar que alerta para a importância de preservar e mostrar este tipo de documentos, importantes contributos que levam a um melhor entendimento da história de um lugar.


1191, abril, Santarém – Carta
Jn Dei nomine hec est carta uenditionis et firmitudinis quam iussi facere ego domnus Godinus Martini prelatus ecclesie sancti Saluatoris uobis Petro Menendi et uxori uestre domne Maiori de una hereditate quam habui in Aluenela sunt isti termini eius jn aquilone Petrus Tristis jn affrico Mata Gris jn oriente uia publica et Reganego vendo uobis ipsam hereditatem scilicet VII astiles et medium in latitudine pro precio quod a uobis accepi scilicet XXVIII morabitinis quia tantum mihi et uobis complacuit et de precio apud uos nichil in debitum remansit habeatis uos ipsam heredidatem firmiter et omnis progenies uestra pos uos et si aliquis homo uenirit uel ego ueniro siue unus ex successoribus meis tam de propinquis quam de extraneis qui hoc factum meum irrumpere uoluerit et ego in concilio auctorizare non potuero aut noluero tunc sim constrictus coram iudice terre donec redam uobis ipsam hereditatem duplatam et quantum fuerit meliorata et domno terre aliud tantum facta karta mense Aprilis era Mª CCª XXª VIIIJª ego uero supra nominatus qui hac cartam facere iussi coram idoneis testibus proprijs manibus eam roboraui Petrus diaconus notuit qui presentes fuere Martinus Portugal testis. Suarius Ueegas testis. Gundisaluus Suariz saragion testis. Suarius Diaz testis. Petrus Pelaiz presbiter testis. frater Pegeirus testis. Petrus Pelaiz testis. Gundisaluus Pegeirus testis. Gundisaluus Diaz testis.
Tradução:
Em nome de Deus. Esta é a carta de venda e de estabilidade que mandei fazer, eu dom Godinho Martins, prior da igreja de são Salvador, a vós Pedro Mendes e a vossa mulher dona Maior, de uma herdade que tive em Alviela. Estes são os seus limites: no aguião, Pedro Triste, no áfrico, Mata Escura, no oriente, estrada pública e Reguengo. Vendo-vos a mesma herdade, a saber, 7 astis e meio em latitude, pela quantia que de vós recebi, a saber, 28 maravedis, porque tanto a mim e a vós agradou, e da quantia convosco nada ficou em dívida. Tenhais vós a mesma herdade, estavelmente, e toda a vossa descendência depois de vós. E se algum homem tenha vindo, ou eu terei vindo, ou um dos meus sucessores, tanto de próximos quanto de estranhos, que este meu feito terá querido usurpar e eu, em conselho, não terei podido ou não terei querido autorizar, então seja preso na presença do juiz da terra, até que vos restitua a mesma herdade, duplicada e quanto tenha sido melhorada, e ao dono da terra outro tanto. Carta feita no mês de abril, era de 1229. Eu, na verdade, acima nomeado, que esta carta mandei fazer na presença de testemunhas idóneas, com minhas próprias mãos a confirmei, o diácono Pedro a escreveu. Os quais foram presentes: Martinho Portugal, Soeiro Viegas, Gonçalo Soares, cirurgião, Soeiro Dias, Pedro Pais, presbítero, frei Pejeiro, Pedro Pais, Gonçalo Pejeiro, Gonçalo Dias.


Um técnico da EDP apaixonado pela sua terra

A melhor forma de nos situarmos no espaço e no tempo em que a vida humana se compreende e realiza, é procurando conhecer os marcos históricos que nos antecederam. Também é assim que a vida se projecta no tempo que designamos por futuro.”

A frase é de D. José Traquina, Bispo de Santarém e está escrita no prefácio do mais recente livro do investigador local José Gaspar que o mesmo lançou, há cerca de um ano, integrado nas comemorações dos 450 anos da paróquia de Vale de Figueira, intitulado “O Convento dos Frades Arrábidos de Vale de Figueira”.

Com este trabalho, o autor proporciona um contributo para o conhecimento da secular paróquia e freguesia de Vale de Figueira. A investigação passou pela Torre do Tombo, pelo Arquivo Distrital de Santarém e outros arquivos, e foi alargada “a testemunhos orais de pessoas de maior antiguidade na povoação que se lembram de como era o convento”, explica o autor.

Nascido em Vale de Figueira, onde residiu até aos 25 anos, José Vicente Calado Gaspar vive actualmente em Santarém, e está ligado ao Centro de Bem Estar Social de Vale de Figueira, à Confraria Ibérica do Tejo, ao Centro Dramático Bernardo Santareno, ao Centro de Investigação Joaquim Veríssimo Serrão, à Associação de Estudo e Defesa do Património Histórico-Cultural de Santarém e ao Fórum Ribatejo, que reúne historiadores locais e regionais.

Na última entrevista que deu a este Jornal, José Gaspar sublinou o seu interesse pela preservação do património que herdamos. Aprendeu, como nos confidenciou, a “ouvir os mais idosos, que nos vão contando histórias” que o próprio regista enquanto memórias que se irão “perpetuar no futuro”.

“Mas a maior motivação é a paixão pela terra que me viu nascer e o carinho que tenho pelos meus conterrâneos. Sou orgulhosamente valfigueirense, ribatejano e português”, salienta.

Conforme o livro “O Convento dos Frades Arrábidos de Vale de Figueira” testemunha, desde muito novo que José Gaspar guarda documentação e informação sobre o património local.

“Fui sempre um bom ouvinte, principalmente dos mais velhos, que muito me transmitiram e isso foi despertando em mim uma vontade enorme de conhecer ainda mais a história local. Interesse que se converteu em três livros concluídos, o primeiro sobre a aldeia Avieira da Barreira da Bica Filhos do Rio… Gente do Nosso Pano, o segundo sobre O Teatro em Vale de Figueira e o actual O Convento dos Frades Arrábidos de Vale de Figueira”, afirmou ao ‘Correio do Ribatejo.

Adepto fiel de pensamentos como o de de Emília Viotti da Costa: “Um povo sem memória é um povo sem história. E um povo sem história está fadado a cometer, no presente e no futuro, os mesmos erros do passado”, José Gaspar, técnico da EDP, procura no seu tempo livre dar a importância que é devida ao património que se ergue neste concelho, como a documentos salvos in extremis do caixote do lixo, e que muito contribuem para melhor entendermos a nossa história.

JPN

PUBLICIDADE
1 comment

Comments are closed.

Leia também...

Lenda da Sopa da Pedra chega às crianças de todo o mundo através da Expo 2020 Dubai

A lenda da Sopa da Pedra, prato típico de Almeirim, foi incluída…

Feira Nacional da Agricultura realiza-se entre 9 e 13 de Junho em Santarém

A Feira Nacional da Agricultura/Feira do Ribatejo (FNA) vai realizar-se entre 9…

Gilberto Gil dá concerto com Adriana Calcanhotto em Santarém

A 7 de Novembro.

“Inspiro-me muito nas minhas vivências e nas raízes em Alpiarça“

Joana Almeirante é natural do concelho de Santa Maria da Feira, mas…