Abraço à escola e exposição “Um Universo de Saber” no arranque dos 175 anos da Escola Sá da Bandeira

A Escola Secundária Sá da Bandeira em Santarém comemora hoje 175 anos de instituição e 75 do actual edifício.

O dia de aniversário, que marca o arranque de um ano de actividades comemorativas, iniciou com um abraço à escola, feito pelos alunos das diferentes escolas pertencentes ao Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira, na presença de antigos alunos, professores, entidades oficiais da cidade e toda a comunidade escolar.

Presente nestas comemorações esteve, entre outros, um dos alunos que em 1943 inaugurou o actual edifício do Liceu Nacional Sá da Bandeira. Manuel Fernando da Silva falou ao Correio do Ribatejo sobre esses tempos e sobre a escola de hoje, fazendo notar largas diferenças na disposição dos alunos no espaço, bem como na diferença e separação entre géneros, comum na época. O antigo aluno, que anualmente junta a sua geração num almoço convívio e numa visita à escola, mostrou-se muito feliz pela festa que presenteou, fazendo mesmo nota de que não tinha ideia de que haviam tantas crianças, que fosse possível abraçar o edifício.

Fez parte deste dia de festa a inauguração na biblioteca da escola, da exposição “Um Universo de Saber”, que pretende fazer o percurso da instituição, partindo da obra de Almeida Garret – “Protesto, hei-de ir a Santarém”, que refere o liceu, bem como das páginas do jornal Correio da Extremadura, hoje Correio do Ribatejo, que se associou a este aniversário.

Adélia Esteves, directora da escola e do agrupamento de escolas, quando questionada pelo Correio do Ribatejo sobre esta efeméride, destacou a importância deste dia e da todos estes anos, durante os quais se têm formado alunos de excelências, muitos deles notáveis a nível nacional e internacional em vários campos. A directora focou o caminho percorrido pela instituição, que pauta por prestar um ensino de excelência, tendo o trabalho sido reconhecido, o que é motivo de orgulho para toda a comunidade escolar.

O Presidente da Câmara Municipal de Santarém, Ricardo Gonçalves, também em declarações ao Jornal, falou da ligação desta instituição de ensino com quase dois séculos, com a cidade e o concelho de Santarém. Uma cidade a comemorar 150 anos, que alberga um liceu com 175, que mesmo antes de Santarém ser cidade, já era liceu, como referiu, parabenizando a instituição.

Da parte da autarquia, também Inês Barroso, vice-presidente e vereadora responsável pelo pelouro da educação, também ela professora de formação, expressou a importância do momento, destacando o trabalho feito pelo Liceu de Santarém em vários campos, não só ao longo dos 175 anos, mas também no presente, já a perspectivar o futuro.

A manhã terminou com as intervenções públicas do D. José Traquina, Bispo de Santarém, do Pe. Joaquim Ganhão, que enquadrou os 100 anos em que o liceu funcionou no edifício que hoje é Casa Episcopal e Sé, bem como de Ricardo Gonçalves e da directora da escola, perante um pátio com uma enorme moldura humana, composta maioritariamente pelos alunos da escola.

(notícia desenvolvida na edição impressa de 19 de Outubro)

info, , , ,

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS