As eleições de 30 de janeiro tiveram tanto de surpresa como de confirmação.
Do lado da surpresa, e contra as expetativas, o Partido Socialista obteve uma maioria absoluta.

Houve ainda a surpresa desta vitória ter ocorrido em todos os círculos eleitorais de Portugal Continental, o que aconteceu pela primeira vez na nossa História, perdendo apenas para a coligação PSD/CDS-PP na Região Autónoma da Madeira e vencendo na Região Autónoma dos Açores.

Estes resultados contrastaram com o cenário de incerteza com o qual fomos convivendo no período pré-eleitoral e com os comentários que nos foram inundando os diversos painéis de comentário político.

Perante um tão propagado equilíbrio entre PS e PSD e a Esquerda e a Direita, os portugueses votaram de uma forma clara num único partido, conferindo-lhe a sua segunda maioria na história democrática. Aliás, esta é apenas a 4ª maioria absoluta na nossa história democrática.

Surpresa ainda, o facto de um partido que governa um país há 6 anos, conseguir atingir essa meta tão ambiciosa da maioria absoluta.

Com este resultado, António Costa garantiu as condições necessárias para uma grande estabilidade governativa, num período que durará mais de 4 anos e meio, atingindo o objetivo delineado em 2015 quando apresentou a Agenda para a Década.

Irá agora governar com uma Assembleia da República que não obrigará a constantes negociações, como ocorreu nestes 6 anos, e com umas condições para o crescimento que juntam as verbas do Plano de Recuperação e Resiliência, com o fim do Portugal 2020 e o lançamento do novo ciclo de programação, o Portugal 2030. Esta “trilogia” para o investimento pode muito bem constituir-se como o grande motor para o crescimento do nosso país.

As constantes hesitações de Rui Rio e do PSD, inclusive durante a campanha eleitoral sobre as soluções governativas, muito provavelmente ajudaram a este resultado.
No campo das confirmações, o Iniciativa Liberal e o Chega cresceram, conforme era expetável, e vão agora ocupar um espaço político que de certo modo foi sendo abandonado. Por culpa do PSD e do CDS-PP.

O Partido Comunista e o Bloco perderam muito do seu eleitorado.
Os dois juntos tiveram agora menos votos do que aqueles que o BE tinha atingido em 2019. Aliás, o Partido Ecologista “os Verdes” desapareceu do parlamento, ficando agora ambos os partidos reduzidos a um total de 11 Deputados e com o espetro da mudança nas suas lideranças.

O PAN, que pouco e pouco foi esquecendo o “P” de Pessoas, viu reduzida a sua representação a um único Deputado.

O Livre, que tinha elegido uma Deputada em 2019, entretanto desavinda com o Partido, conseguiu manter a sua representação ao eleger o Rui Miguel Tavares, em Lisboa.

Por fim, o CDS.
Do ponto de vista democrático, é preocupante constatar o seu desaparecimento da Assembleia da República. O CDS é um dos 4 partidos fundadores da democracia, fundamental na formação e construção deste país após abril de 74. Mas, a sua liderança, por vezes pueril, condenou-o a este desaparecimento.

Teremos agora um previsível processo de mudanças na liderança da maioria dos Partidos que atingiram resultados muito aquém dos alcançados em 2019.
E toda uma nova reconfiguração no Parlamento.

Para o futuro e talvez para ensinamento, fica o facto de os modelos utilizados pelas empresas de sondagens terem forçosamente de se modernizar, atualizar e evoluir.
Tem vindo a acentuar-se, e não apenas em Portugal, uma diferenciação de resultados entre aquilo que mede uma sondagem (uma tendência) e o ato eleitoral em si.

O resultado registado nestas eleições surpreendeu sondagens, comentadores e especialmente os “Bugalhos da vida”. Mas, traduziu-se na demonstração de uma enorme participação eleitoral, com uma redução da abstenção e a evidência da escolha inequívoca dos portugueses.

Inato ou Adquirido – Ricardo Segurado

Leia também...

‘Carta à minha mãe’, por Pedro Carvalho

Querida mãe,Desde o dia 20 de agosto de 2017, aconteceram muitas coisas…

‘Morrer de Amor’, por Teresa Lopes Moreira

Este fim-de-semana cumpre-se o ritual secular de homenagear os defuntos. Os cemitérios…

Da passadeira vermelha para a passadeira da estrada

Atravessar uma estrada tem riscos e é matéria da educação básica de…