A Confraria do Vinho Medieval de Ourém vai ser apresentada na quinta-feira, numa iniciativa da Associação de Promoção da Vitivinicultura do Concelho de Ourém (VitiOurém), para defender e promover este vinho.

“Pretende-se que com a criação da Confraria seja reforçada a promoção e defesa deste património histórico que é uma marca única e relevante do concelho de Ourém e que deve ser um dos embaixadores privilegiados deste concelho”, referiu a VitiOurém, em nota de imprensa.

A iniciativa, com início às 10:00, no Castelo de Ourém, inclui a primeira cerimónia de entronização de confrades, “na qual se incluem várias individualidades do plano local e nacional que foram decisivos para a instituição da DOP [Denominação de Origem Protegida, em 2005] Medieval de Ourém”.

O presidente da VitiOurém, António Lopes, afirmou que a Confraria, criada há um ano, tem 22 confrades fundadores e oito de mérito, num total de 30.

De acordo com António Lopes, entre os confrades estão os ex-secretários de Estado Bianchi de Aguiar e Carlos Duarte, que estiveram envolvidos na criação da DOP, autarcas e antigos autarcas ou o ex-produtor António Marques da Cruz, considerado um dos impulsionadores deste vinho, também conhecido como vinho palhete, assim como a Câmara e Assembleia municipais de Ourém.

A VitiOurém, criada em Setembro de 2000, tem vindo “a trabalhar para a promoção e defesa do Vinho Medieval de Ourém, cujo método de produção é certificado e tem origens que remontam à fundação” do país, “quando foi instituída em Portugal a Ordem de Cister liderada por Bernardo de Claraval”, cujos monges trouxeram “os novos métodos de fazer agricultura e onde se incluiu também a produção de vinho”.

Aquela organização esclareceu que “o Vinho Medieval de Ourém mantém hoje em dia o mesmo método que era utilizado há 850 anos e, por isso, é considerado um vinho único, uma vez que é apenas no concelho de Ourém que o método de produção se manteve inalterado desde a época da fundação”.

“É um vinho cor de cereja produzido com 80% de mosto branco e 20% de ‘tinta’, sendo que a ‘tinta’ [mosto mais a casca de uvas tintas em curtimenta] é misturada quatro a 10 dias depois ao branco também em fermentação”, explicou António Lopes.

Segundo a VitiOurém, prevê-se que, “numa fase posterior, venha também a ser instituída uma Câmara de Provadores, para complementar o trabalho já efectuado e para apoiar localmente os pequenos viticultores, para que vejam o seu produto valorizado em termos de mercado e, assim, mantenham vivo este património que importa preservar”.

A VitiOurém tem 10 associados activos a produzir Vinho Medieval de Ourém. O ano passado foram produzidos cerca de quatro mil litros deste vinho e a associação quer apostar no aumento da produção, adiantou o presidente.

“Existe um novo entusiasmo na VitiOurém. Há associados novos e vitivinicultores jovens que estão a plantar vinhas. E há vitivinicultores de fora do concelho que já estão a plantar vinhas no concelho e a adquirir uvas para produzir Vinho Medieval de Ourém”, acrescentou.

De acordo com o dirigente, a produção deste vinho circunscreve-se ao concelho de Ourém, também “único local do país com este método de produção”.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.

Homem morre esmagado em acidente de trabalho em Alpiarça

Um homem morreu num acidente de trabalho, esmagado por uma máquina de…