Já com o Orçamento de estado para 2021 em cima da mesa, com o cheiro dos milhões europeus a levantar ondas no Tejo e com a pandemia a não dar tréguas, o trabalho no Parlamento continua a mil. Trabalhar para o povo, que nos elegeu e paga, mantendo na mente nas alterações de fundo necessárias para o país conseguir resistir aos tempos ainda mais difíceis que se avizinham, não é tarefa fácil.

Defender o equilíbrio entre as medidas de emergência necessárias para responder aos problemas imediatos das famílias: desemprego, perda de rendimentos, saúde, escolas; sem esquecer as mudanças estruturais imprescindíveis para um futuro melhor para as próximas gerações, é um processo complexo. O debate de urgência, realizado a 16 de outubro, a pedido do PSD, é disso exemplo. Debatemos nesse dia a preocupante situação económica e social atualmente vivida em Fátima, concelho de Ourém, distrito de Santarém.

Percebemos que a situação é muito grave em Portugal quando, depois de parar o futebol, o Santuário de Fátima avançou em setembro com a intenção de dispensar dezenas de trabalhadores. A queda nas receitas causadas pela pandemia, levou a um “plano de reestruturação interna”.
Mas não foi só a Igreja a sofrer com as consequências da diminuição da afluência de peregrinos ao santuário, que chegou a atingir os 95%. O presidente da Câmara de Ourém, Luís Albuquerque (PSD-CDS PP), revelou que o número de estabelecimentos encerrados em Fátima rondava, em abril, os 90%.

PUBLICIDADE

A especial vulnerabilidade de Fátima prende-se com um modelo socioeconómico baseado quase exclusivamente na atividade turística. A forte especialização na monoindústria do turismo religioso conduziu a um ecossistema empresarial muito pouco resistente a mudanças inesperadas e, portanto, muito frágil. Estas debilidades fazem-se sentir também do lado do trabalho, marcado pela informalidade, sazonalidade e precaridade.
Segundo declarações de António Baião, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Centro (STIHTRSC) cerca de 1.000 pessoas perderam o emprego em Fátima, correspondendo a um total de cerca de 50% dos postos de trabalho, só no setor hoteleiro. Noutros setores devido à “clandestinidade e trabalho não declarado” os números serão piores.

A pandemia colocou a descoberto as debilidades do tecido económico local, situação só semelhante à do Algarve ou da Madeira. O que justifica, do nosso ponto de vista, medidas excecionais para lidar com este grave problema socioeconómico. É necessário canalizar apoios extraordinários para pessoas e empresas, que permita fazer face à emergência social, mas são igualmente necessárias medidas estruturais que transformem o tecido económico da região e o preparem para um futuro pós covid, que não será igual ao passado.

O PSD apresentou, a 13 de maio, um projeto de resolução que não resolve os problemas de fundo. É necessária formação profissional e capacitação tecnológica, combate à precaridade e sazonalidade laboral, diversificação da atividade económica, inovação tecnológica e digitalização, inovação e desenvolvimento científico, promoção de recursos naturais e paisagísticos, por exemplo.

Uma situação desta gravidade não vai lá com pensos rápidos. É preciso ajudar Fátima a evoluir para resistir.

Fabíola Cardoso – Deputada do BE eleita por Santarém

PUBLICIDADE
Leia também...

Um ano horribilis, onde também houve coisas boas

2020 foi um ano estranho, inimaginável, difícil; muito difícil. Um ano horribilis…

Orçamento de Estado para 2021

Caros Leitores deste nosso Correio do Ribatejo,É com muito gosto que volto…

No centenário de Bernardo Santareno

Por ironia do destino, as comemorações do centenário do nascimento de Bernardo…

Situação pandémica que vivemos e as suas consequências

Caros Leitores deste nosso Correio do Ribatejo. As últimas semanas de atividade…