Desculpem se ainda escrevo sobre a Festa do Avante, mas entendo que o devo fazer.

Apesar de, na sua 1.ª edição ter sofrido um atentado à bomba, e de ter sido alvo de diversas provocações mediáticas em diversas edições, a Festa do Avante era quase ignorada pela comunicação social dominante. Foi preciso chegar à sua 44.ª edição e ter sido realizada no contexto da atual pandemia, para que todos os demónios tivessem sido lançados pata tentar inviabilizar, dificultar ou estigmatizar a sua realização, por razões que, como se veio a demonstrar, nada tinham a ver com reais preocupações de saúde pública.

Claro que as preocupações eram legítimas e o PCP nunca as ignorou. E por isso mesmo, definiu à partida um conjunto muito significativo de alterações àquele que é o figurino habitual da Festa, quer em termos de programação, quer de lotação, quer de construção, adotando por decisão própria um conjunto de medidas de proteção sanitária. Para além disso, o PCP acatou sem hesitar exigências feitas pela DGS, mais rigorosas do que as que foram exigidas outros eventos, mas escrupulosamente cumpridas.

PUBLICIDADE

Apesar disso, assistimos a uma campanha mediática contra o PCP, a pretexto da realização da Festa, em que valeu tudo. Todos os canais televisivos de sinal aberto fizeram um verdadeiro campeonato de manipulação e infâmia contra a Festa do Avante. Contudo, a Festa fez-se e foi um exemplo de que é possível realizar iniciativas políticas, culturais e de massas em segurança sanitária desde que sejam adotadas e cumpridas as medidas necessárias. O grande sucesso que foi a realização da Festa do Avante deveria levar os detratores a assumir que estavam errados e a pedir desculpa ao PCP.

É óbvio que isso não iria acontecer. A campanha contra a Festa do Avante nunca se baseou em reais preocupações de saúde pública. Dizer aos mentores e executores da campanha contra a Festa do Avante que tenham vergonha é pedir demais. Não tiveram, não têm e nunca terão.

António Filipe – Deputado do PCP eleito por Santarém

PUBLICIDADE
Leia também...

Um ano horribilis, onde também houve coisas boas

2020 foi um ano estranho, inimaginável, difícil; muito difícil. Um ano horribilis…

Orçamento de Estado para 2021

Caros Leitores deste nosso Correio do Ribatejo,É com muito gosto que volto…

No centenário de Bernardo Santareno

Por ironia do destino, as comemorações do centenário do nascimento de Bernardo…

Situação pandémica que vivemos e as suas consequências

Caros Leitores deste nosso Correio do Ribatejo. As últimas semanas de atividade…