O Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) activou uma nova fase do Plano de Contingência da pandemia covid-19, com transferência de serviços e instalação de mais 26 camas em enfermaria e cinco em cuidados intensivos.

Em comunicado, o CHMT, que agrega as unidades hospitalares de Abrantes, Tomar e Torres Novas, dá conta que, “na sequência da evolução da pandemia, afectou mais uma enfermaria de 26 camas à respectiva capacidade de internamento para doentes covid-19, totalizando 130 camas, neste momento”, e aumentou, ainda, “mais cinco camas de cuidados intensivos, totalizando agora 16 camas em Medicina Intensiva” para doentes covid-19.

“Esta extensão de actividade encontra-se contemplada no Plano de Contingência do CHMT para fazer face à pandemia e na sequência da decisão da tutela, quando atribuiu uma afectação de 197 camas a este Centro Hospitalar para tratamento de doentes covid em enfermaria”, deu hoje conta a administração hospitalar, que tem o hospital de Abrantes como referência para tratamento a doentes covid-19.

PUBLICIDADE

Nesse sentido, acrescenta, “tornou-se inevitável a transferência do Serviço de Ortopedia para a Unidade Hospitalar de Tomar, a exemplo do que aconteceu na primeira fase da pandemia”, transferência que ocorreu no fim de semana, a par da transferência de alguns profissionais de saúde e cancelamento da actividade cirúrgica não urgente.

“Em consequência do aumento de 11 para 16 da capacidade de camas para a Medicina Intensiva, foi necessário transferir profissionais dos blocos operatórios para o Serviço de Medicina Intensiva, o que levou à suspensão da actividade cirúrgica, com excepção das cirurgias inadiáveis, urgentes e emergentes”, refere o CHMT.

Segundo a administração do centro hospitalar, presidida por Carlos Andrade Costa, “nos próximos dias, estabilizadas estas alterações, o CHMT procurará avaliar as condições para manter alguma actividade cirúrgica corrente”, tendo referido ter na Unidade Hospitalar de Tomar e na Unidade Hospitalar de Torres Novas “infra-estruturas cirúrgicas que se procurará rentabilizar apesar do actual quadro pandémico”.

A nota informativa conclui salientando o facto do CHMT ter “já 130 camas de Enfermaria e 16 em Medicina Intensiva”, situação que, no entender de Carlos Costa, “expressa bem o ponto crítico que actualmente se vive na presente pandemia”, tendo o centro hospitalar apelado à “responsabilidade cívica de todos os cidadãos para que se evite a transmissão do contágio por SARS-Cov-2”.

Constituído pelas unidades hospitalares de Abrantes, Tomar e Torres Novas, separadas geograficamente entre si por cerca de 30 quilómetros, o CHMT funciona em regime de complementaridade de valências, abrangendo uma população na ordem dos 260 mil habitantes de 11 concelhos do Médio Tejo, no distrito de Santarém, Vila de Rei, Castelo Branco, e ainda dos municípios de Gavião e Ponte de Sor, ambos de Portalegre.

PUBLICIDADE
Leia também...

Só Coruche e Sardoal escapam ao recolher obrigatório às 13h00 no fim-de-semana

Os concelhos de Coruche e Sardoal são os únicos, no Distrito de…

Hospital de Santarém no limite da capacidade de internamento de doentes covid

O Hospital Distrital de Santarém atingiu o limite da sua capacidade prevista…

Hospital de Santarém esgotou capacidade de internamento em enfermaria

O Hospital de Santarém esgotou a capacidade de internamento em enfermaria para…

Transmissão comunitária preocupa autarcas de Santarém

Os autarcas de Santarém estão apreensivos com a evolução negativa da situação…