O Governo quer majorar em 140 por cento as despesas relacionadas com a floresta para efeitos de IRS e de IRC, depois de ter anunciado esta semana o alargamento do IVA reduzido (6%) a todas as operações florestais.

O secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural disse hoje, no encerramento do fórum “Rede de Defesa da Floresta”, promovido em Santarém pela REN – Redes Elétricas Nacionais, que o Governo está a trabalhar na portaria que vai regulamentar o decreto-lei de Dezembro último para majorar em 140 por cento todas as despesas relacionadas com a floresta para efeitos de IRS e de IRC.

Miguel Freitas afirmou que esta medida, que visa mostrar que “investir na floresta tem um valor superior àquilo que é o valor real da operação para efeitos fiscais”, se juntará à que entrou em vigor há dois dias, de alargar o IVA reduzido, até aqui “vocacionado para os que trabalham directamente a floresta”, a “todas as operações feitas na floresta e sobre a floresta”.

PUBLICIDADE

Estas medidas, disse, são “essenciais para dar sinais de confiança a quem trabalha na floresta e a toda a sociedade, de que se deve envolver com a questão florestal”.

Miguel Freitas afirmou que o Governo está igualmente a trabalhar na norma que permitirá o pagamento das servidões aos proprietários privados.

“Pela primeira vez no país vamos lançar, também aí, um programa novo para podermos remunerar aquilo que é a perda de rendimento que os produtores florestais têm sempre que temos de fazer estas faixas de gestão de combustível em terreno privado”, declarou.

Para o secretário de Estado, este será mais um “sinal de confiança ao sector”, mas também o reconhecimento de que “as funções que a floresta presta à sociedade não são apenas económicas, mas também ambientais e sociais, e que o Estado deve remunerar a perda de rendimento dos produtores florestais”.

Miguel Freitas afirmou que, depois de anos a dar “muito enfoque ao combate”, o Governo decidiu inverter esta tendência e “dar uma nova centralidade” à prevenção, a começar no orçamento, que passa a ser “equilibrado”, mas também na coordenação, com a criação de uma “agência de gestão dos incêndios florestais, para coordenar todo o dispositivo” (de prevenção e de combate).

Segundo o governante, está a ser feito um “investimento estrutural” na prevenção, estando a ser abertas “faixas de interrupção de combustível, com uma componente mecânica, mas também com fogo controlado”, o que aconteceu já em 6 mil hectares de terreno, a que se associa o programa de silvopastorícia que irá permitir manter essas faixas no médio e no longo prazo.

Esse trabalho com um horizonte temporal mais alargado passa ainda pela criação de um programa para a avaliação e a monitorização das redes de defesa da floresta, “para ajustar à realidade concreta do território”, e a articulação das redes primárias, da responsabilidade do Estado, nos seus vários níveis, com todas as outras, de que referiu como exemplo a da REN.

O presidente da REN, Rodrigo Costa, apontou o trabalho realizado desde há muitos anos pela empresa na defesa da floresta contra incêndios, com a limpeza das faixas dos 8.500 quilómetros de linhas e 1.350 quilómetros de gasodutos, bem como das reservas de gás subterrâneas no Carriço e do terminal de Sines, infraestruturas “extraordinariamente sensíveis”.

No encontro que realizou hoje no Centro Nacional de Exposições em Santarém, a REN reuniu os prestadores de serviços que ajudam a manter essas faixas limpas, responsáveis oficiais de proteção civil, especialistas e académicos, como Xavier Viegas, do Centro de Estudos Sobre Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra, que coordenou estudos sobre os incêndios de 2017.

PUBLICIDADE
Leia também...

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Morreu Asdrúbal, figura de Santarém

Asdrúbal, figura icónica e popular de Santarém, faleceu na madrugada deste domingo,…

Condutor não respeita ordem de paragem e foge durante 25 km à GNR

Um homem de 31 anos foi detido e aguarda julgamento em prisão…

GNR detém dono de café por violação do confinamento

A Guarda Nacional Republicana (GNR) deteve, no sábado, o dono de um…