Caros Leitores deste nosso Correio do Ribatejo,
É com muito gosto que volto ao contacto com todos vós, numa altura em que estamos a terminar um ano tão difícil, quer em termos de saúde pública, económico social e em termos da nossa vida em família e em sociedade.

As últimas semanas de atividade parlamentar foram marcadas pela discussão em torno do Orçamento de Estado para 2021 e, mais uma vez, o debate e votação sobre o pedido de autorização da Declaração do Estado de Emergência proposto pelo Presidente da República, depois da reunião com o Infarmed e após ter ouvido o Governo e todos os partidos com assento Parlamentar, devido à evolução da Pandemia COVID-19, com duração de 15 dias.

E se há algo que afeta profundamente a vida de todos nós, é o Orçamento de Estado: um conjunto de documentos que estabelece as bases das políticas a seguir pelo Governo para o ano seguinte, que foi discutido e cuja sua votação final global aconteceu no passado dia 26 de novembro, em que o PSD votou contra. É nele que se definem impostos, investimentos públicos, políticas sociais, aumentos salariais, dotações orçamentais para áreas tão importantes como a Saúde, a Educação, a Segurança. No fundo, todo o conjunto de serviços que o Estado tem que prestar, com qualidade, a todos nós, Portugueses.

PUBLICIDADE

Mas, chegados ao fim do processo do OE2021 temos de constatar, e de lamentar, que o resultado seja em tudo semelhante ao dos anos anteriores: não olha para o presente nem olha para o futuro. Não olha para o presente no sentido em que, dada a crise sanitária e económica que o País atravessa, a generalidade das medidas são matérias meramente recorrentes nos sucessivos Orçamentos. O OE2021 não olha para o futuro porque está capturado pela extrema-esquerda, que se viu investida num poder que os eleitores, em boa verdade, nunca lhe conferiram. Mas esse é o preço que aos Portugueses, o Partido Socialista faz pagar, pelas dependências que escolheu para compensar a sua fragilidade.

Os eleitos do PSD pelo Distrito de Santarém deram o seu contributo, tanto na discussão na especialidade como nas propostas de alteração ao Orçamento que foram chumbadas. Dou como exemplo a proposta de apoio ao Turismo Religioso, que teve o voto contra dos Deputados do Partido Socialista, incluindo os Deputados eleitos pelo nosso Distrito, que previa um plano especial de apoio à economia de Fátima.

Num tempo em que se pede às empresas que se esforcem por conservar empregos, as empresas conservam os que podem! A verdade é que a atividade em 2020 diminuiu muito mais do que o emprego e, infelizmente, a destruição do emprego entre os mais vulneráveis é uma das nossas maiores preocupações.

Portugal e o nosso Distrito têm diante de si enormes dificuldades para ultrapassar. Os Deputados eleitos pelo nosso Distrito e o Partido Social Democrata estão empenhados em encontrar resposta para os Cidadãos e para as empresas.

Muito mais teria para vos dizer, mas terei mais oportunidades ao longo de 2021 de vos trazer mais notícias e novidades sobre os dias na Casa da Democracia, o nosso Parlamento.

Até uma próxima ‘carta’, com votos de um Feliz Natal para todos Vós, com as limitações e restrições que nos impõem, mas, principalmente, com os comportamentos que entendermos por convenientes para nos protegermos.

Isaura Morais – Deputada do PSD eleita por Santarém

PUBLICIDADE
Leia também...

Obras na Linha do comboio

Quarta feita, dia 10 de março, na Comissão de Economia, Obras Púbicas…

Situação pandémica que vivemos e as suas consequências

Caros Leitores deste nosso Correio do Ribatejo. As últimas semanas de atividade…

No centenário de Bernardo Santareno

Por ironia do destino, as comemorações do centenário do nascimento de Bernardo…

Chega de mentiras do Chega

O Partido que, com fama e proveito, se reivindica da extrema-direita em…