O presidente da Câmara de Santarém declarou “total” empenho do município na construção do novo aeroporto no concelho e disse acreditar que esta será a solução escolhida pelo Governo daqui a um ano pelos “argumentos sólidos” que apresenta.

Ricardo Gonçalves (PSD) afirmou à Lusa que as autarquias e entidades da região Centro que tem contactado estão igualmente “muito entusiasmadas e expectantes” em que esta venha a ser a opção escolhida, aguardando para saber como vai ser formada a comissão técnica que irá realizar os estudos e as entidades que a comporão.

“Para a nossa região isto é muito importante”, disse o autarca, antevendo o “impacto direto de 35.000 postos de trabalho”, que abrangerá, além de Santarém e de todos os concelhos limítrofes, os distritos de Leiria, Castelo Branco, Portalegre, o Oeste e também a Área Metropolitana de Lisboa.

“O empenho é total. É um projeto que esperamos que seja uma solução sólida para o problema, que se arrasta há muitos anos, da localização do novo aeroporto em Portugal. Os argumentos são muito sólidos e esperamos que de vez fique resolvido esse problema”, afirmou.

Salientando as dificuldades que se têm colocado às soluções do Montijo e de Alcochete (esta no concelho de Benavente, também no distrito de Santarém), sobretudo por questões ambientais, o autarca escalabitano apontou ainda que estas hipóteses terão o seu impacto económico na Área Metropolitana de Lisboa, enquanto a que entrou agora em debate beneficiará uma vasta área “há muitos anos carenciada de investimento”.

Os promotores, cujo rosto conhecido até ao momento é o do dono da Barraqueiro, Humberto Pedrosa, vão esta semana apresentar o projeto ao executivo municipal escalabitano e à Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo, sendo intenção estender essas apresentações aos municípios do Médio Tejo e dos distritos que ficarão na área de influência direta de um futuro aeroporto nesta zona, disse.

Pela informação que tem sido divulgada em diversos órgãos de comunicação social, o projeto poderá, numa primeira fase, ter apenas uma pista e capacidade para um milhão de passageiros/ano, com um investimento da ordem dos mil milhões de euros a concretizar em três anos.

A essa primeira fase, “regional”, poderá seguir-se uma outra, dotando o novo aeroporto com três pistas e capacidade para 100 milhões de passageiros/ano, num investimento de 4,5 mil milhões de euros.

Para Ricardo Gonçalves, entre os argumentos que, no seu entender, fazem desta a hipótese mais viável, estão a proximidade em termos de tempo, tanto em relação a Lisboa como ao resto do país, por se localizar junto a três autoestradas (A1, A23 e A13) e à ferrovia – o local apontado situa-se entre a Linha do Norte e a estação de serviço da A1, abrangendo as freguesias de S. Vicente do Paul e de Casével.

Salientando que Lisboa fica a 40 minutos de carro e menos ainda de comboio, Ricardo Gonçalves afirmou ser esta “a distância a que os aeroportos estão das capitais europeias”.

O local escolhido está ainda fora do raio de 75 quilómetros abrangido pela concessão à Vinci e, segundo o autarca, pelo que é conhecido, não tem problemas de Reserva Ecológica ou impactos ambientais como os que se colocam nas duas outras opções.

Aos que ouviu dizer na comunicação social que o local escolhido é inundável e só daria para hidroaviões, o autarca desafiou a que visitem o local.

“Não está em zonas inundáveis, como o Montijo, não tem problemas ambientais como tem Alcochete”, nem a questão da necessidade de construção de uma terceira travessia sobre o Tejo, implicando menos gastos com infraestruturas complementares, acrescentou.

“É muito importante que se perceba que os projetos podem ser noutros locais. Muitas vezes pensa-se que tudo o que é em Lisboa é que é mais importante e tudo o resto é paisagem. Mas não, há mais Portugal para além de Lisboa e isto é um projeto que pode ter essa capacidade”, acabando por também beneficiar muito a Área Metropolitana, declarou.

Referindo um estudo que projeta, em 2050, a “grande” Área Metropolitana de Lisboa até Leiria, ficando Santarém “no centro”, Ricardo Gonçalves defendeu que esse seja também um argumento a ser tido em conta.

Ricardo Gonçalves adiantou que, para já, o papel do município é “fornecer informação, estar ao lado do projeto, dar a conhecer, explicar”, ficando questões como os instrumentos de ordenação do território para depois de conhecida a decisão.

Tanto o PS, que tem um acordo de governação com o PSD no executivo municipal, como o vereador do Chega manifestaram o seu apoio ao projeto na reunião da Câmara de Santarém que se realizou na segunda-feira.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.