“Vencer é o reflexo de uma excelente formação, de outra forma não é possível”

A Escola Municipal de Natação de Santarém (EMNS) foi criada a 1 de Outubro de 2002, data em foi oficialmente inaugurado o Complexo Aquático Municipal de Santarém. A sua actividade foi iniciada com cerca de 850 alunos, repartidos pelas piscinas do Complexo Aquático e Piscinas do Sacapeito. Actualmente conta com cerca de 1700 alunos inscritos nas suas diversas modalidades. João Teixeira Leite, presidente da Viver Santarém e Tiago Simões, Coordenador da Divisão de Organização de Eventos e Atividades Desportivas, em entrevista ao Correio do Ribatejo fazem um balanço da actividade, destacam os desafios que as modalidades enfrentam e anunciam os objectivos futuros da EMNS.

Que balanço pode ser feito da actividade da Escola de Natação até à data?
João Leite (JL): O balanço é bastante positivo, temos vindo a crescer de uma forma sustentada, não só estruturalmente ao nível das diferentes classes como na formação continua e especializada. Importa referir que a Escola Municipal de Natação detém o selo de qualidade técnico-pedagógico a nível nacional, atribuído pela entidade máxima da natação em Portugal – Federação Portuguesa de Natação, evidenciando desta forma a excelência do nosso corpo docente.

Como é que a Escola de Natação da Viver Santarém adaptou a sua estrutura na fase de confinamento durante a pandemia covid-19?
JL: Foi um grande desafio. O encerramento da actividade da Escola, foi imediato, o que obrigou ao corpo docente a reinventar-se. Foram produzidos semanalmente diversos conteúdos on-line com o objectivo de promover hábitos de vida saudável e actividade física da comunidade e reforçarmos a proximidade da Viver Santarém com a população em geral. Simultaneamente promovemos diversas conferências online com o objectivo de debater temas relacionados com o desporto, envolvendo oradores de excelência.

PUBLICIDADE

Quais foram as principais medidas tomadas pela Viver Santarém no pós-confinamento?
JL: Tudo foi adaptado e reajustado mediante as sugestões da Direcção Geral da Saúde e Federação Portuguesa de Natação. Durante o período de confinamento elaboramos um conjunto de documentos, nomeadamente os diversos planos de contingência, com o objectivo de assegurar um regresso totalmente seguro, para os nossos profissionais e sobretudo para os nossos alunos. As medidas executadas permitiram a obtenção do selo de Qualidade Portugal a Nadar Seguro, aumentando a credibilidade e segurança da nossa Escola.

Que impactos desportivos e financeiros tiveram a paragem?
JL: Ao nível desportivo o maior impacto foi sentido sem dúvida pela paragem abrupta de todos os nossos alunos. O caminho formativo e desportivo alcançado até meio de uma época lectiva foram interrompidos comprometendo o alcance dos mesmos. Do ponto de vista financeiro a Escola Municipal de Natação representa 12,2% do volume total de receitas da Viver Santarém, a suspensão da actividade provocada pela Covid 19, representou uma perda de aproximadamente 98 000€.

Que mensagem gostaria de deixar aos atletas, treinadores e todo o staff da Escola Municipal de Natação de Santarém?
JL: Uma mensagem de confiança e resiliência. Estamos a viver momentos difíceis da nossa história colectiva, o grau de imprevisibilidade é grande, mas cabe a todos nós darmos o nosso contributo, o nosso melhor, para responder com eficiência a todos quantos procuram os nossos serviços. Os nossos alunos conhecem a elevada qualidade do nosso corpo docente e do conforto das nossas infra-estruturas. A prática desportiva é essencial para a qualidade de vida da população, vamos continuar a dar o nosso contributo para o aumento da qualidade de vida a população de Santarém. É uma das nossas principais missões.

Como é que está estruturada a Escola de Natação da Viver Santarém, quantos atletas e treinadores tem?
Tiago Simões (TS): A Escola Municipal de natação de Santarém desenvolve a sua actividade em duas instalações aquáticas, Piscinas Municipais do Sacapeito e Complexo Aquático Municipal de Santarém. Tem um corpo docente constituído por nove técnicos superiores e uma fisioterapeuta, havendo reforço de prestadores consoante as necessidades. Antes da pandemia a Escola Municipal de Natação contava com cerca de 1700 alunos nas diversas modalidades aquáticas. De segunda a sábado leccionamos aulas de natação pura para todas as faixas etárias, natação para bebés, natação artística, polo aquático, recreação aquática, hidroginástica, deepwater, fisioterapia aquática, pilates clínico.

Que valências têm a modalidade?
TS: Praticar natação, moderadamente, de 30 minutos a uma hora, pelo menos, duas vezes por semana, trabalha o sistema respiratório melhora a circulação sanguínea, o equilíbrio e desenvolvimento motor das crianças e de pessoas de todas as Idades. Não nos podemos esquecer que aprender a nadar, é uma ferramenta fundamental para a prevenção de possíveis afogamentos. Estes são alguns dos principais factores pelos quais continuamos a trabalhar e convidar à participação da sua aprendizagem na EMNS.

Como é que foi preparado o regresso da modalidade?
TS: Com todo o cuidado, rigor e profissionalismo, cumprindo todas as normas e exigências actuais face à pandemia, podemos enumerar algumas das medidas que já aplicamos e que iremos adoptar na abertura da próxima época que será no dia 14 de Setembro, destaco, balneários atribuídos por classes e horários com utilização reduzida, sendo os acessos identificados por cor; abertura de todos os níveis de aprendizagem e restantes disciplinas anteriormente leccionadas na EMNS, no entanto, com vagas reduzidas respeitando todas as exigências legais e sanitárias para além das recomendações da Direção Geral de Saúde (DGS); para além do uso obrigatório de máscara por toda a equipa técnica no cais, somente nas classes com necessidade de maior proximidade técnico-aluno ( adaptação ao meio aquático, bebés, 3 anos e fisioterapia aquática), será utilizada viseira; somente será permitida a permanência de encarregados de educação para as classes de grau I durante o período de equipar (10 min) e banhos (30 min); não haverá visualização de classes, encontrando-se encerrados os espaços de bancadas e salas de visionamento.

Quais são os objectivos desportivos da Escola de Natação para esta temporada?
TS: É conseguir voltar a trabalhar e desenvolver competências junto dos nossos alunos. Face às actuais restrições e ao necessário distanciamento social, o número de alunos por classe e em balneários reduziu significativamente, condicionando a implementação de um conjunto de horários. Nesse sentido tivemos necessidade de recrear a Escola Municipal de Natação de Santarém. O nosso principal objectivo para a próxima época lectiva, prende-se na oferta de horários/níveis de aprendizagem a todos os nossos alunos com qualidade, rigor e segurança alcançando todos os seus objectivos.

Para a Escola de Natação é mais importante formar ou vencer competições?
TS: Formar, sem dúvida, o vencer é o reflexo de uma excelente formação, de outra forma não é possível. A base e estrutura da escola assenta na formação de todos os nossos alunos onde a natação pura é o alicerce comum em que oferece um leque de opções para continuidade do seu percurso e desenvolvimento tanto pessoal como desportivo.

Como é que um atleta pode ingressar na modalidade?
TS: Qualquer pessoa à excepção das crianças com três (3) anos que queira aprender a nadar na Escola Municipal de Natação só tem de marcar a sua avaliação de nível presencialmente junto dos nossos serviços administrativos, após este processo, o futuro aluno estará pronto a realizar a sua inscrição junto dos nossos serviços.

Que investimento tem de fazer um atleta para praticar este desporto?
TS: As diversas disciplinas aquáticas para a sua prática somente carecem de praticamente 3 acessórios, fato de banho, touca e chinelos uma vez que os restantes materiais são facultados pela Escola Municipal de Natação. Facilmente se encontram no mercado com um custo reduzido. Contudo é como qualquer prática o gosto, durabilidade e exigência face ao número de vezes e duração que pratica pode aumentar.

Na sua opinião, esta modalidade deveria ser mais estimulada a nível do desporto escolar?
TS: Sem dúvida, é uma teoria que defendemos há imensos anos, faz todo o sentido um trabalho concertado entre as Escolas Municipais e os Agrupamentos de Escolas. O desporto escolar para além das competências no crescimento e desenvolvimento dos alunos, permite uma flexibilidade de horários e gestão de tempos familiares que nem sempre são possíveis.

Santarém tem bons atletas na natação?
TS: Não podemos falar em bons atletas sem falar nas pessoas que os formam. Sim, Santarém tem nadadores de referência trabalhados por profissionais de excelência.

Que falta fazer para os atletas atingirem patamares mais elevados nesta modalidade?
TS: Sinceramente, pensamos que neste momento as Federações estão a desenvolver junto das suas Associações Distritais e Centros de Alto Rendimento protocolos de trabalho que visam o desenvolvimento dos nossos jovens. Esperemos num futuro próximo ver com maior frequência mais nadadores Portugueses a disputar finais em Europeus, Mundiais e Jogos Olímpicos.

PUBLICIDADE

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS