A Comissão Vitivinícola Regional do Tejo (CVR Tejo) tem vindo a dar nota dos números no que toca à de certificação dos Vinhos do Tejo. A performance tem superado todas as expectativas de crescimento, mesmo em ano de pandemia – aumento de 28% no total do ano, de 2020 face a 2019; e 11% no primeiro quadrimestre de 2021 face a 2020.

Dados importantes, que revelam que os produtores estão unidos na promoção conjunta do que melhor se faz no Tejo: a aposta na certificação tem impacto na qualidade dos vinhos, mas também na divulgação dos mesmos, na medida em que a venda dos selos que a CVR Tejo atribui aos vinhos reverte para a promoção.

No que toca a venda de vinhos – e porque certificação é um dado distinto –, são agora conhecidos os dados Nielsen relativos ao mercado nacional e ao primeiro trimestre de 2021. Analisados os números e, segundo Luís de Castro, presidente da CVR Tejo, “conclui-se que a região dos Vinhos do Tejo foi das que teve uma melhor performance, tendo vindo a ganhar quota de mercado nos vários canais, tanto em volume como em valor. De salientar que a Nielsen só considera para esta análise os vinhos tranquilos e, tendo a região marcas de vinho frisante com produções bastante significativas, o real peso dos Vinhos do Tejo – sempre tendo em conta o universo dos vinhos certificados, como DOC doTejo ou IGP Tejo – é muito superior aos números apresentados”.

Análise de dados do vinho certificado em Portugal e dos Vinhos do Tejo, em volume e em valor

PUBLICIDADE

De Janeiro a Março de 2021 e face a 2020 (pré-pandemia), as vendas de vinho certificado em Portugal caíram 2,4%, em volume. A região dos Vinhos do Tejo contrariou essa performance, ao aumentar em 39,1% a vendas de litros vendidos e em 2,3 pontos percentuais a quota de mercado. Atinge assim uma quota de mercado de 7,6%, subindo da 6.ª para a 5.ª posição no ranking, atrás do Alentejo, da Península de Setúbal, do Minho e do Douro. Das treze, apenas quatro regiões apresentaram crescimento: Tejo, Península de Setúbal, Lisboa e Beiras. Esta análise é baseada na soma dos canais Distribuição (supermercados e hipermercados) e Restauração, sendo que os aumentos advêm do primeiro – com um crescimento global na ordem dos 23,7% –, devido ao fecho dos restaurantes no confinamento.

Na distribuição, o Tejo é a segunda região que mais cresce, com mais 80,8% face ao período homólogo. Atinge assim uma quota de mercado de 7,6% e consolida a sua (5.ª) posição. Nota para o facto de o Tejo ter contribuído em 18% para o crescimento deste canal. Na Restauração, o vinho certificado em Portugal perde 83,6%, ou seja, praticamente a totalidade do negócio, devido ao segundo confinamento. Embora a perda dos Vinhos do Tejo seja de 74,1%, há um aumento de 3,4 pontos percentuais na quota de mercado, o que se traduz na subida da 6.ª para a 4.ª posição no ranking.

Analisando o mesmo período, mas em valor, as vendas de vinho certificado em Portugal caíram 28,5%, uma queda muito significativa pelo efeito da perda de peso da restauração. No Tejo o impacto foi menor, a rondar os 2,8%, mas com um aumento de 1,3% pontos percentuais, o que significa que a quota de mercado subiu de 3,7% para 5% e uma posição no ranking. O Tejo é a 5.ª região, atrás do Alentejo, do Douro, da Península de Setúbal e do Minho. Olhando para o canal Distribuição, o mercado global cresceu 27,7% e o Tejo foi a terceira região com melhor performance.

Com um aumento de 54,3% tem agora a 5.ª posição no que a quota de mercado diz respeito – subiu duas posições face a 2020. Na Restauração, a perda global foi de 85,6% face ao período homólogo. Uma performance negativa transversal a todas as regiões, onde o Tejo foi a região menos impactada, com 76,6% de perdas, mas um aumento de 2 pontos percentuais e qualificação na 5.ª posição do ranking.

De ressalvar que a comparação de dados relativos ao primeiro trimestre de 2021 face a 2020 é completamente atípica – pandemia e confinamento versus comportamento dito comum –, o que não justificando grandes análises, nomeadamente no que diz respeito à Restauração, onde os números são dramáticos. Apesar de algum optimismo, continuamos a viver tempos de incertezas relativamente à recuperação económica.

Retrato de um país em pandemia e implicação no sector

Com as diversas restrições e os confinamentos ao longo do ano, o mercado foi forçado a concentrar esforços num ambiente de retalho agressivo, onde as promoções e as activações ajudaram a minimizar o impacto do colapso do comércio – fecho da restauração e grande diminuição do turismo.

Neste contexto, o vinho provou ser uma das categorias com melhor desempenho, amplamente adoptada e consumida em casa. Categorias como o gin, vodka, rum e tequila (de orientação mais social) foram “devastadas” pelas limitações de contacto social, e pelo encerramento da “noite”, sofrendo perdas bastantes significativas em 2020 versus 2019. Embora o turismo deva regressar de forma gradual, a situação actual do Algarve (turistas ingleses), a redução das viagens de negócios e de encontros/conferências vão, provavelmente, dar origem a uma recuperação mais lenta para Lisboa e Porto.

Portugal deverá entrar num período económico difícil, fundamentalmente pelo aumento do desemprego e pela diminuição do poder de compra. Isto terá implicações menos positivas, no que toca à pressão da actividade promocional, na medida em que o retalho português é considerado altamente competitivo e Portugal é amplamente citado como sendo um dos mercados com maior índice de promoção da Europa: cerca de 40% das vendas no retalho são feitos em promoção.

O comercio electrónico em Portugal começava a dar os primeiros passos, sendo que as restrições da pandemia vieram acelerar, e muito, todo o seu desenvolvimento. Portugal soube reagir de forma rápida e eficaz, contudo, a maior fatia de consumidores de vinho ainda faz as suas compras na Distribuição. Garrafeiras, produtores (winery) e internet são os canais com mais potencial de crescimento no futuro e com níveis de consideração mais elevados.

PUBLICIDADE
Leia também...

Mercadona cria 65 novos empregos com abertura de nova loja em Santarém

Em 2022.

Mercadona constrói maior bloco logístico da empresa em Almeirim

A Mercadona, maior cadeia espanhola de supermercados, anunciou que vai construir um…

‘Casa em Santarém’ nomeada para o prémio internacional de arquitectura

O projecto ‘Casa em Santarém’ da empresa dp arquitectos está nomeado para…

Moinho de Fau e Restaurante no Jardim das Portas do Sol colocados em hasta pública

A Câmara Municipal de Santarém vai realizar um hasta pública, no próximo…