Caros leitores do Correio do Ribatejo, é com imenso prazer que, mais uma vez, me dirijo a todos vós por intermédio desta pequena carta. Neste final de mês tivemos a oportunidade de celebrar a Revolução de Abril, de forma diferente e por alguns criticada, recordando os heróis daquele dia e dos que se seguiram até que o nosso Portugal tivesse realmente a prometida Liberdade e Democracia que esteve na origem do Movimento das forças Armadas.

E neste tempo diferente, onde abdicamos de parte das nossas liberdades em prol do bem comum, damos certamente muito mais valor a esta conquista de Abril e a outros pequenos gestos que julgávamos eternamente garantidos. Já sentimos falta de um simples aperto de mão, de um abraço, do carinhoso cumprimento com um beijo, da companhia da família e dos amigos, coisas que hoje parecem tão distantes e que todos tomávamos como certas.

E tudo isto leva-nos ao trabalho que hoje fazemos no nosso Parlamento, onde tenho a honra de representar o Distrito de Santarém. Um trabalho menos visível nestes tempos de Estado de Emergência mas igualmente intenso e recompensador para quem quer dar o melhor pelo seu país.
É ao Parlamento que cabe aprovar todo um conjunto de legislação que possibilita os apoios às famílias, às empresas e seus trabalhadores e ao Poder Local, leis que resultam de um duro trabalho de negociação e que, muitas vezes, não são isentas de falhas, posteriormente corrigidas, dada a urgência da sua promulgação e implementação na comunidade, face a estes tempos que vivemos. Apesar de não ser visível, é um trabalho intenso, no qual desempenho o meu papel com todo o gosto, apesar das longas horas de estudo e conversação que me exige, de forma a que as propostas apresentadas sejam as que efetivamente melhor servem o nosso País e os Portugueses.

PUBLICIDADE

Citando o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no seu discurso de 25 de Abril, “Esta hora impõe-nos unidade, unidade que não é nem unicidade nem unanimismo, mas unidade entre os Portugueses” e é com essa unidade que temos trabalhado, sem deixarmos de criticar ou sugerir outros caminhos, mas procurando o melhor para Portugal. O tempo do balanço, da avaliação virá no futuro, no final desta onda pandémica, quando nos voltarmos todos a reunir em família, em grupos de amigos, celebrando como fazíamos naqueles tempos que já nos parecem tão distantes mas sobre os quais não passaram nem dois meses.
Despeço-me com um grande e sentido abraço, distante, a todos vós, fazendo votos para que fiquem todos bem!

Com amizade, Isaura Morais – Deputada do PSD eleita por Santarém

PUBLICIDADE
Leia também...

Um ano horribilis, onde também houve coisas boas

2020 foi um ano estranho, inimaginável, difícil; muito difícil. Um ano horribilis…

O Orçamento de quem não desistiu do país

No passado dia 26 de novembro a Assembleia da República aprovou o…

No centenário de Bernardo Santareno

Por ironia do destino, as comemorações do centenário do nascimento de Bernardo…

Orçamento de Estado para 2021

Caros Leitores deste nosso Correio do Ribatejo,É com muito gosto que volto…