O bispo de Leiria-Fátima disse hoje que a pandemia de covid-19 constitui um “choque” que “faz sentir mais agudamente a fragilidade da vida”.

“A pandemia constitui um choque que nos faz sentir mais agudamente a fragilidade da vida. Verificamos como a doença abre em todos muitas feridas e acarreta muitos sofrimentos: feridas do medo da doença, da dor, do isolamento, da solidão, da ameaça do desemprego, da angústia da morte”, disse hoje António Marto durante a homília da missa do 29.º Dia Mundial do Doente, realizada na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, no santuário de Fátima, sem a presença de fiéis, devido ao confinamento a que a pandemia de covid-19 obriga.

Segundo o prelado diocesano “há mortes prematuras e outras na maior solidão que deixam feridas abertas nos familiares: nos pais e nos filhos, nos órfãos, nos viúvos/as, sobretudo naqueles que não puderam dizer uma palavra ou um gesto de adeus aos seus entes mais queridos, nem realizar um funeral à altura e ficam num estado de luto suspenso e amargo”.

PUBLICIDADE

“Quantas vezes escutamos tantas histórias de doenças, de sofrimento, de luto, de desânimo e desalento, de cruz. Encontramos deste modo muitas feridas físicas, psíquicas e espirituais que invocam reconhecimento, partilha e cura. São brechas a reparar e feridas a curar”, afirmou.

Segundo António Marto, a doença “é uma das experiências mais duras do ser humano. Sofre o enfermo que sente a sua vida ameaçada e se interroga: porquê, para quê, até quando? Mas sofre também a sua família, os seres queridos e os que o assistem”.

Na homília, o cardeal também observou que a medicina, nos últimos decénios “deu passos de gigante”.

“Devemos estar muito gratos e, neste momento, por nos proporcionar a vacina qual luz de esperança para sair da pandemia”. afirmou.

O prelado diocesano abordou a mensagem do papa para o Dia Mundial do Doente 2021 ao referir que “uma sociedade é tanto mais humana quanto melhor sabe cuidar dos seus membros frágeis e sofredores e o sabe fazer com eficiência animada por amor fraterno” e disse que “nem os governantes nem os cidadãos” deveriam “ignorar esta lição”.

“Investir recursos nos cuidados e na assistência às pessoas doentes é uma prioridade ligada ao princípio de que a saúde é um bem comum primário”, apontou, citando a mensagem do papa Francisco.

Também para a Igreja, “este cuidado não é algo acessório ou opcional. Faz parte da missão que Jesus lhe confiou de continuar a sua obra: levar a proximidade, a ternura, a compaixão, o conforto e apoio a todos ao que sofrem”, disse.

“Todas as vezes que cuido de um irmão enfermo, que ajudo a curar uma ferida, a enxugar uma lágrima, a dar conforto estou a colaborar na salvação de Cristo. Cada comunidade cristã é chamada a realizar esta missão localmente”, acrescentou.

O bispo de Leiria-Fátima disse ainda que é importante não “deixar no abandono e na solidão” aqueles que se encontram “a enfrentar um momento tão delicado ou duro da sua vida”.

PUBLICIDADE
Leia também...

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Morreu Asdrúbal, figura de Santarém

Asdrúbal, figura icónica e popular de Santarém, faleceu na madrugada deste domingo,…

Condutor não respeita ordem de paragem e foge durante 25 km à GNR

Um homem de 31 anos foi detido e aguarda julgamento em prisão…

GNR detém dono de café por violação do confinamento

A Guarda Nacional Republicana (GNR) deteve, no sábado, o dono de um…