Setembro marca o início do novo ano nas escolas, mas também no Parlamento. Recomeçam os trabalhos das comissões, reiniciam-se os debates em plenário. Mas este não é um início habitual.

A Covid 19 veio alterar tudo o que tínhamos por garantido e levanta grandes e graves questões novas. É assim nas famílias que vêem com preocupação o regresso às aulas, nas empresas onde os trabalhadores lidam com a falta de medidas de higiene e segurança e também na Assembleia da República.

Apesar das limitações que sentimos importa aprender com a pandemia e agir para diminuir o seu impacto na saúde, mas também no trabalho, na economia, nos cuidados e na sociedade. O Bloco de Esquerda tem avançado com muitas propostas concretas que podem ajudar a ultrapassar as enormes debilidades e discriminações que o vírus tornou ainda mais evidentes.

PUBLICIDADE

O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda esteve representado no 8º fórum Parlamentar Luso Espanhol, que decorreu no dia 14 de setembro. Foi um momento de reflexão e troca de experiências sobre os desafios comuns, tanto no plano europeu, como de cooperação transfronteiriça.

São muitos e variados os dossiers a precisar de atenção e ação conjunta. Assinalo alguns dos temas óbvios, com interesse para o distrito, que devem ser prioridades:

  • Revisão da Convenção de Albufeira. Este acordo sobre a gestão dos rios partilhados deve garantir caudais diários verdadeiramente ecológicos nos rios. Só assim o que aconteceu em 2019, com o esvaziamento da Barragem de Cedillo no Tejo, não se repetirá.
  • Encerramento da central nuclear de Almaraz, e todas las demás!! Na lógica de transição para as energias renováveis, defendida pela União Europeia. É possível conseguir agora apoio europeu, no âmbito dos Planos de Recuperação, para enterrar de vez esta forma obsoleta e perigosa de produzir energia.
  • Conectividade ferroviária. É imprescindível que, com urgência, se resolvam os problemas de ligação entre a os comboios ibéricos e o resto da Europa. Só assim contribuiremos realmente para a descarbonização preconizada pelos acordos internacionais.

Alguns destes temas foram incluídos nas conclusões do encontro e serão, esperamos, discutidos na Cimeira intergovernamental da Guarda, que acontecerá no início de outubro.

Deixámos ainda um desafio para novos fóruns ibéricos: alargar a agenda da cooperação luso hispânica a temas sobre liberdades e direitos, essenciais na época conturbada para a Democracia que vivemos a nível mundial e europeu. Nessa área política podemos, colaborativamente, aprofundar boas práticas, mas também servir de exemplo a nível europeu e contribuir para conter a vaga anti direitos humanos.

Apresentámos como exemplos a necessidade de uma política digna de migrações e refugiados, que não nos envergonhe enquanto europeus; uma Europa feminista, que garanta efetiva igualdade e representatividade das mulheres, na política e no trabalho ou a defesa dos direitos de lésbicas, gays, bi, transsexuais e outras pessoas que se revêm na bandeira do arco-íris.

Fabíola Cardoso – Deputada do BE eleita por Santarém

PUBLICIDADE
Leia também...

Um ano horribilis, onde também houve coisas boas

2020 foi um ano estranho, inimaginável, difícil; muito difícil. Um ano horribilis…

Orçamento de Estado para 2021

Caros Leitores deste nosso Correio do Ribatejo,É com muito gosto que volto…

No centenário de Bernardo Santareno

Por ironia do destino, as comemorações do centenário do nascimento de Bernardo…

Chega de mentiras do Chega

O Partido que, com fama e proveito, se reivindica da extrema-direita em…