Cerca de 55% do território de Portugal continental está coberto com sistemas de videovigilância florestal, que têm como missão central a deteção precoce de incêndios rurais, revelou hoje o Ministério da Administração Interna (MAI).

Segundo dados enviados à Lusa pelo MAI, os sistemas de videovigilância (VV) cobrem atualmente cerca de 55% do território de Portugal continental, que correspondem a uma área estimada de 5.000.000 hectares, abrangendo partes dos distritos de Aveiro, Bragança, Setúbal, Castelo Branco, Coimbra, Faro, Guarda, Leiria, Lisboa, Porto, Santarém, Setúbal e Viseu.

O MAI refere que estes equipamentos de VV “são uma das ferramentas integrantes do sistema de vigilância fixa”, complementando a Rede Nacional de Postos de Vigia (RNPV) da GNR que existe em todo o país.

Os sistemas de videovigilância florestal compreendem, segundo a lei citada pelo MAI, “meios do Estado, das entidades metropolitanas ou intermunicipais, dos municípios, das freguesias e de outras entidades privadas que disponham de meios próprios instalados em propriedade privada”.

O Ministério tutelado por José Luís Carneiro explica que a utilização de câmaras de VV na floresta ocorre há vários anos e são instaladas “em locais estratégicos para cobrir as zonas de ‘sombra’ entre os diferentes postos de vigia”.

De acordo com o MAI, os sistemas de videovigilância têm como principais objetivos a deteção precoce de incêndios em áreas florestais, despiste de casos reportados que sejam falsos alarmes e a comunicação imediata para o centro correspondente à ativação do dispositivo de extinção, bem como a captura de imagens e recolha de dados respeitantes a fogos para apoio à decisão operacional e promovendo um ataque mais eficaz.

O MAI refere que os sistemas dispõem de várias câmaras e de um Centro de Gestão e Controlo, com “um painel de monitores de vídeo onde de forma continua e simultaneamente são apresentadas as imagens capturadas com elevada taxa de atualização e qualidade”.

Na nota enviada à Lusa, o Ministério explica que “as imagens são controladas e monitorizadas em tempo real por elementos da GNR ou da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), num sistema de escala de 24 horas e podendo a sua constituição variar de comando para comando”.

“Os sistemas estão preparados para detetar automaticamente focos de incêndio florestal através de câmaras de vídeo de alta e muito alta resolução com apoio dos operadores. Quando é detetada uma possível ocorrência de incêndio, o operador estabelece contacto imediato com a respetiva Equipa de Manutenção e Exploração de Informação Florestal da GNR – equipas compostas por efetivos da Guarda e sediadas em cada um dos 18 Comandos Distritais de Operações de Socorro (CODS) da ANEPC – para que os meios de ataque possam ser despachados para o local”, refere o MAI.

No âmbito do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais, cabe à GNR a coordenação da rede de vigilância e deteção de incêndios, composta pela RNPV, sistemas de VV e meios de deteção móveis ou terrestres e aéreos, assim como estabelecer as orientações técnicas e funcionais para a sua ampliação, redimensionamento e funcionamento.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.